Pesquisar
Home Institucional Produtos Galeria de Fotos News Perguntas Frequentes Localização Contato
   
 

0 produto(s) adicionado(s)

Ver Lista

Newsletter

Cadastre-se e receba nossas novidades e promoções em seu e-mail.

Visite também

Blog
 
Localização
 
Escolha a categoria Escolha a variedade
 
Planta Destaque
 
» ARQUIVO
» Outubro
» Agosto
» Julho
» Junho
» Maio
» Abril
» Março
» Fevereiro
» 2016
» 2015
» 2014
» 2013
» 2012
Hortensias

Hortensias

 
A Hortênsia é um arbusto semi-lenhoso, de 1 a 2,5 metros de altura, de folhagem e florescimen-to decorativos. Suas inflorescências se assemelham a buquês, com numerosas flores de cor branca, rósea ou azul. Um aspecto muito interessante é que a coloração das flores varia com o pH do solo. Em solos alcalinos, as flores se tornam róseas, enquanto em solos ácidos as flores são mais azuladas. Aprecia climas mais frios, não crescendo bem em locais muito quentes.

Nome Científico: Hydrangea macrophylla
Nome Popular: Hortensia rosa, azul celeste, azul forte, branca
Família: Saxifragaceae
 
Gardenia jasminoides

Gardenia jasminoides

 
A gardênia é uma planta ornamental de origem chinesa, um arbusto que pode atingir até 2m de altura. No início da primavera, a gardênia começa a cobrir-se de flores brancas e perfumadas. O seu perfume já inspirou até boleros e rendeu-lhe o nome popular de jasmim-do-cabo, mesmo não sendo uma espécie da família dos jasmins. A gardênia produz folhagem verde escuro e brilhante, com o detalhe de que as folhas não caem durante o inverno.

Nome Científico: Gardenia jasminoides
Nome Popular: Gardenia
Família: Rubiaceae
 
Budleia

Budleia


Gênero com cerca de 100 espécies de arbustos, as vezes árvores e plantas trepadeiras e algumas herbáceas, sempre verdes ou semi sempre verdes ou de folha caduca. Elas ocorrem no seu lugar nativo ao longo de rios, em áreas rochosas e matagais na Ásia, África assim como na América do norte e América do Sul. Elas são cultivadas por causa de seus cachos de pequenas flores tubulares, normalmente fragrantes e em alguns casos por causa de sua folhagem em forma de lança de forma ovalada. Todas, com exceção das trepadeiras, são indicadas para o uso em canteiros mistos de arbustos ou podem ser usadas isoladamente ou em grupos dentro de grandes gramados. Muitas delas são altamente atrativas para os insetos

Nome Científico: Buddleja davidii
Nome Popular: Budléia 'White Ball' / 'Black Night' / 'Empire Blue' / lilás / roxa / variegata / 'Sungold' amarela
Família: Loganiaceae
 
Leptospermum scoparium

Leptospermum scoparium


Arbusto ereto ou árvore pequena de textura semi lenhosa e de ramos bastante ramificados. As folhas de coloração verde acinzentada, recobrem os ramos deste arbusto perene, que floresce na primavera e no verão. Sua pequenas flores são dobradas, nas cores branca, vermelha ou rosa. Aprecia o frio, desenvolvendo-se florescendo com mais abundância em climas amenos. Naturalmente seu aspecto é aberto, mas pode ser um arbusto mais formoso e compacto com podas periódicas e leves. A myrtha pode ser plantada em vasos ou no jardim como bordadura, em maciços ou como planta isolada. É bastante apreciada também na arte do bonsai, por apresentar naturalmente folhas e flores pequenas. Deve ser cultivada sob sol pleno, em solo fértil, bem drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado periodicamente. Aprecia adubações periódicas e não tolera o calor tropical.

Nome Científico: Leptospermum scoparium
Nome Popular: Myrtha branca / rosa / vermelha
Família: Myrtaceae
 
Loropetalum chinensis

Loropetalum chinensis

 
O Loropetalum é um arbusto perenifólio de caule ereto e ramificado, com ramagem bem aberta, pouco densa. As folhas são ovaladas, com nervuras bem marcadas na cor verde. As inflorescências surgem na primavera e são caracterizadas por pequenos grupos de flores com pétalas estreitas, como fitas, e um pouco recurvadas, que podem ser de coloração rósea, branca, ou vermelha.

De aspecto informal, é uma boa escolha para os jardins serranos. O Loropetalum presta-se para plantio isolado ou em grupos, sendo excelente para cercas-vivas e bordaduras. Sem podas, ele pode atingir até 4 metros de altura.

Deve ser cultivado sob sol pleno, em solo fértil, levemente ácido, enriquecido com matéria orgânica e irrigado periodicamente. Aprecia o clima ameno e tolera o frio moderado. As podas devem ser realizadas após o florescimento.
 
Lampranthus productus

Lampranthus productus

 
Essa suculenta de crescimento vigoroso adquire um aspecto muito ornamental no inverno, época de sua florada. As flores, que lembram as margaridas encobrem toda a planta. Nativo da África do Sul, o lampranto é típico de clima subtropical árido e é usado para compor maciços em canteiros, sob sol pleno. Atinge até 70 cm de altura e tem ciclo anual.

Nome Científico: Lampranthus productus
Nome Popular: Lampranthus rosa
Família: Aizoaceae
 
Grinalda dobrada, Véu-de-noiva

Grinalda dobrada, Véu-de-noiva

 
Arbusto proveniente da China e Japão, com 1,2 a 1,5 m de altura, bastante plantada devido a sua rusticidade e suas vistosas flores brancas, que ocorrem na primavera. Suas folhas caem durante o inverno. Esta variedade da grinalda de noiva diferencia-se por suas flores brancas serem dobradas, com maior número de pétalas. Aprecia climas frios, sendo cultivada isoladamente, em grupos ou renques.

Nome Científico: Spirea vanhouttei
Nome Popular: Grinalda dobrada, Véu-de-noiva
Família: Rosaceae
 
Roseira trepadeira amarela

Roseira trepadeira amarela

 
Trata-se de um grupo de rosas muito rústicas indicadas para o uso em paisagismo como forração. Ideal para canteiros grandes e em inclinação. Combinam bem com coníferas e outros arbustos. Uma vez enraizadas, não necessitam mais do que 1 a 2 podas por ano, sempre no inverno, e algumas adubações. Especialmente indicada para grandes áreas onde não é viável replantar flores anuais ou onde o corte do gramado é dificultado. 

Nome Científico: Rosa banksiae
Nome Popular: Roseira trepadeira amarela
Família: Rosaceae
 
Ranunculus

Ranunculus

 
A variedade Bloomingdale é baixa (45 a 50 cm de altura) formando touceiras de 30 a 40 cm diâmetro, com flores duplas (de até 10 cm de diâmetro) nas tonalidades: vermelho, cor de rosa, amarelo, laranja e branco. Os Ranunculus são plantas perenes para clima temperado e florescem no inverno e na primavera formando um sistema radicular em forma de rizomas.

Nome Científico: Ranunculus asiaticus
Nome Popular: Ranunculus
Família: Ranunculaceae
 
Bidens amarelo

Bidens amarelo

 
Planta perene com folhas recortadas, verde “fresco” de 8 cm de comprimento. Os caules se espalham e as flores são do tipo margarida amarelo-ouro. São produzidas principalmente da metade do verão até o outono. O tamanho da flor depende da variedade. A planta atinge 30 cm de altura e largura indefinida.

Nome Científico: Bidens ferulifolia
Nome Popular: Bidens amarelo
Família: Asteraceae
 
Wisteria sinensis

Wisteria sinensis

 
Trepadeira originária do Japão, famosa em jardins ingleses e chineses. Possui um caule lenhoso e desenvolve-se rapidamente, atingindo grandes extensões. É dona de uma florada espetacular e de um perfume muito forte. De coloração roxa ou azulada, com cachos pendentes formados durante o inverno, época em que está sem folhas. É resistente a fortes geadas e calores, sendo especial para uso em caramanchões.

Nome Científico: Wisteria sinensis
Nome Popular: Glicinia azul / branca
Família: Leguminosae
 
Azaléias

Azaléias


Conhecido como azaléia, trata-se de um arbusto que pode atingir vários metros e que prefere um solo rico em matéria orgânica, úmido e ácido. Existem variedades com flores brancas, rosas, vermelhas, lilases e em inúmeros semitons. Tolera geada e desenvolve-se melhor à meia-sombra e em regiões com clima temperado, onde é usada em grandes jardins e parques, isolada ou em grupos. Planta relativamente rara e de crescimento lento.

Nome Científico: Rhododendron simsii
Nome Popular: Azaleia branca
Família: Ericaceae 
 
Camptosema spectabilis

Camptosema spectabilis

 
Trepadeira volúvel, muito ramificada, vigorosa e florífera, nativa do Brasil, com folhagem densa. Folhas compostas com três folíolos ovalados grandes. Inflorescências axilares, muito longas, pendentes, com flores vistosas, vermelhas ou róseas, formadas no outono-inverno. Nativa na beira de matas ao longo de estradas. Para ser cultivada necessita de arrimo ou apoio, representado por caramanchões e pérgolas, cercas e muros que permitem a apreciação dos cachos de flores pendentes. Tolerante a geadas. As flores são muito visitadas por beija-flores.

Nome Científico: Camptosema spectabilis
Nome Popular: Camptosema, Cipó Tapiá
Família: Fabaceae
 
Ilex chinês

Ilex chinês


Arbusto nativo na China, Korea e comporta temperaturas de -1 a -18ºC. Ganha frutos vermelhos com 15 mm de diâmetro que duram durante meses no outono (não precisa plantas macho e fêmea para ganhar frutos). A planta pode atingir até 5 m de altura e diâmetro. Indicado para o uso como planta isolada, em grupos ou dentro de cercas vivas informais.

Nome Científico: Ilex cornuta
Nome Popular: Ilex chinês
Família: Aquifoliaceae
 
Grevilha alpina

Grevilha alpina

 
Arbusto de grande porte e de rápido crescimento, possui folhas acinzentadas no verso e flores laranjas que florescem no verão. É resistente à secas e geadas, mas não tolera climas úmidos e quentes. Sua madeira é bastante valiosa, similar a do carvalho, aproveitada par móveis e para pipas de vinho.

Nome Científico: Grevillea alpina
Nome Popular: Grevilha alpina
Família: Proteaceae
 
Laurus-Tinus

Laurus-Tinus

 
Arbusto compacto, sempre verde com folhas ovais a oblongas, verde-escuras com comprimento de até 10 cm, flores brancas minúsculas (6 mm) em cachos terminais com até 10 cm de diâmetro que permanecem na planta durante um longo período no inverno até a primavera. A planta pode atingir 3 m de altura e 3 m de diâmetro. Como planta jovem ela tem um hábito mais piramidal. Origem: Mediterrâneo. Zona 8-10 (até -12ºC).

Nome Científico: Viburnum tinus
Nome Popular: Laurus-Tinus
Família: Caprifoliaceae
 
Nandinas

Nandinas

 
A Nandina domestica é uma planta semi-lenhosa da família das Berberidáceas, cada vez mais usada nos jardins do sul do Brasil. Ela é originária da Índia ao Japão. A sua beleza, a rusticidade e a versatilidade são os principais motivos.

Nome Científico: Nandina domestica
Nome Popular: Nandina / Nandina anã
Família: Berberidaceae
 
Crisântemo

Crisântemo

 
Em grego, crisântemo significa "flor de ouro". Esta planta é cultivada há mais de 2.500 anos na China e é considerado uma das plantas nobres chinesas. Existem mais de 100 espécies e mais de 800 variedades comercializadas no mundo. Seu porte é herbáceo e geralmente de 1 metro. Sua propagação se dá por estacas em estufas e sementes, e dá flores o ano inteiro. Precisa de muita luz, porém, não suporta sol direto. Prefere clima quente e úmido.

Nome Científico: Dendrathena grandiflorum hybrida
Nome Popular: Crisântemo
Família: Asteraceae
 
Jasmim amarelo

Jasmim amarelo

 
Arbusto semi-herbáceo, apresentando muitos ramos longos de 2 a 3 m de comprimento, com folhagem e florescimento decorativos. Folhas densas, brilhantes, com três folíolos lisos e verde-escuros. Ocorre a forma variegada com folhas de cor verde e amarela. Flores solitárias, amarelas, dispostas ao longo dos ramos, dobradas ou semi-dobradas, formadas principalmente da primavera ao outono. É cultivado a pleno sol, de preferência em locais mais elevados para permitir a formação pendente de ramagem, não sendo, portanto, conduzida como trepadeira.

Nome Científico: Jasminum mesnyi
Nome Popular: Jasmim amarelo
Família: Oleaceae
 
Chaenomeles speciosa

Chaenomeles speciosa

 
Também conhecido como Cidonia, é similar a Chaenomeles japônica mas normalmente é maior e mais ereto. O hábito da Cidonia é arredondado e tem boa resistência ao frio. A folhagem é bronzeada ao brotar e posteriormente muda para verde escuro brilhante e vem geralmente após a floração. Dependendo da variedade as flores variam na cor escarlate a vermelho, rosa ou branco, podendo aparecer isoladas ou em cachos com 2 ou 4 flores. Os galhos podem ser cortados e usados em vasos ou arranjos florais, eles são decorativos por causa das flores e da sua forma bizarra. As frutas redondas em forma de maçã são cheirosas e podem ser usadas para fazer geléias, os pássaros as adoram nos meses de inverno. O Marmelo de Jardim se adapta aos mais diversos solos, pode ser usada isolada ou em grupos, usada também para formar cercas vivas baixas e na arborização de ruas e praças públicas. As podas devem ser feitas logo após a floração.

Nome Científico: Chaenomeles speciosa
Nome Popular: Marmelo de jardim
Família: Rosaceae
 
Camelia japonica hybrida

Camelia japonica hybrida


Grupo muito variado (250 espécies) de arbustos grandes ou árvores oriundas do Japão, China e Coréia. São plantas lenhosas e ramificadas, de 1,5 a 6 m de altura, com folhagem e florescimento decorativo. As folhas são brilhantes, coriáceas e denteadas e as flores axilares. Há variedades com flores simples, dobradas ou semidobradas, brancas, vermelhas, róseas ou bicolores, no outono e no inverno. É cultivada como planta isolada, em grupos ou como árvore em calcadas, a pleno sol ou meia-sombra. Comporta bem temperaturas baixas e prefere solos ácidos, bem drenados com bastante matéria orgânica.

Nome Científico: Camelia japonica hybrida
Nome Popular: Camelia branca
Família: Theaceae
 
Tibouchina rasteira

Tibouchina rasteira


Devido à sua beleza e rusticidade originária de locais montanhosos da mata atlântica, esta arvoreta é perfeita para ser cultivada em vasos suspensos ou no jardim na forma de maciço ou forração. A ramagem chega a 1,5 m de comprimento e é avermelhada. Suas folhas verde-acobreadas por cima e verde-avermelhadas por baixo colorem o jardim o ano todo. No verão e outono, as atenções se voltam para as flores róseo-arroxeadas de anteras amarelas, que despontam solitárias por todo o ramo e ao final ficam brancas. A quaresmeira-rasteira pode ser cultivada em clima tropical e subtropical, sob sol pleno ou meia-sombra, embora nessa condição floresça menos. É sensível a calores e geadas muito fortes.

Nome Científico: Schizocentron elegans
Nome Popular: Tibouchina rasteira
Família: Melastomataceae
 
Bougainvillea spectabilis

Bougainvillea spectabilis

 
São plantas trepadeiras com espinhos originárias da América tropical e subtropical. Muito cultivada em todo mundo, de crescimento vigoroso formando troncos lenhosos. Suas folhas são ovaladas e alternadas. As flores singelas ou dobradas apresentam-se pequenas e tubulares, envolvidas por três brácteas vistosas, bem coloridas em forma de pétala com inflorescências terminais grandes que surgem dos caules arqueados ou pendentes durante vários meses do ano.

Nome Científico: Bougainvillea spectabilis
Nome Popular: Três Maria scarlet variegata / roxa / vermelha
Família: Nyctaginaceae
 
Primula

Primula

 
Esta variedade de prímula obconica não contém “primilina” uma substância causadora de alergias e irritação da pele. Cores: azul escuro, azul com branco, laranja escuro, vermelho com branco, branco, violeta, vermelho e rosa. Recomendações para a manutenção: a prímula obconica de for mantida sob condições adequadas, poderá florescer durante meses.

Nome Científico: Primula obconica
Nome Popular: Primula
Família: Primulaceae
 
Kalanchoe

Kalanchoe


Planta suculenta, também conhecida como "gordinha" em virtude de suas folhas carnudas. Planta rústica que produz abundante floração, com as pequenas flores agrupadas em buquês, nas cores rosa, laranja, amarela e vermelha, dependendo da variedade. Ideal para formar maciços e bordaduras nos jardins, mas também dá ótimos resultados em vasos e floreiras. É uma planta que precisa de muita luminosidade. Quando adulta, alcança até 30 cm de altura. Época de floração: entre o final do outono e início da primavera.

Nome Científico: Kalanchoe blossfeldiana híbrida
Nome Popular: Kalanchoe
Família: Crassulaceae
 
Dianela 'Variegata'

Dianela 'Variegata'

 
Planta com as mesmas características da Dianela tasmanica, mas as folhas verdes têm listras de cor branco-creme. Planta altamente decorativa, muito usada em vasos, conjuntos e floreiras em lugares onde o Formium fica muito vigoroso. São geralmente cultivadas em jardins do tipo natural ou em canteiros quentes ou protegidos. Por causa da semelhança com o Formium a Dianela é confundida com ele e até é chamada de Formium anã.

Nome Científico: Dianella tasmanica
Nome Popular: Dianela 'Variegata'
Família: Liliaceae
 
Ciclamen

Ciclamen


Prefere locais claros porém no verão entre 11 a 16 hs; não colocá-la diretamente no sol, na primavera e no outono ela necessita pouca exposição ao sol direto e no inverno ela poderá receber luz solar direta. Um local muito claro ou próximo a uma fonte de calor (aquecedor) aumenta a necessidade por água. A adubação deve ser feita uma vez por semana. As flores passadas e as folhas amarelas deverão ser retiradas através de uma leve virada ou um curto puxão. Atenção para não deixar restos dos caules pois poderá causar o apodrecimento.

Nome Científico: Cyclamen
Nome Popular: Violeta dos Alpes médio
Família: Primulaceae
 
Três Maria pixie pink

Três Maria pixie pink

 
Arbusto originário da América tropical e subtropical. Muito cultivada em todo mundo, de crescimento vigoroso formando troncos lenhosos. Suas folhas são ovaladas e alternadas. As flores singelas ou dobradas apresentam-se pequenas e tubulares, envolvidas por três brácteas vistosas, bem coloridas em forma de pétala com inflorescências terminais grandes que surgem dos caules arqueados ou pendentes durante vários meses do ano.

Nome Científico: Bougainvillea spectabilis
Nome Popular: Três Maria pixie pink
Família: Nyctaginaceae
 
Thumbergia azul

Thumbergia azul


Trepadeira semi-lenhosa, muito vigorosa, de folhagem ornamental. Originária da Índia. Folhas ovaladas ou triangulares com alguns dentes, coloração verde escura e brilhante. Flores solitárias ou em inflorescências curtas. Flores de cor azul celeste com o centro claro, formadas durante o decorrer de quase o ano todo, principalmente na primavera e no verão. Cultivada ao pleno sol, é apropriada para caramanchões, pérgolas e cercas extensas. Trepadeira muito rústica, tolera temperaturas amenas.

Nome Científico: Thumbergia grandiflora
Nome Popular: Thumbergia azul
Família: Acanthaceae 
 
Leptospermum scoparium

Leptospermum scoparium

 
Leptospermum é um arbusto ou uma árvore pequena que tem flores com fragrância e que são altamente decorativas. A planta comporta temperaturas baixas. Esta planta vai muito bem a locais quentes e secos, tolerante aos ventos marítimos (litoral). Pode ser usada como cerca formal e informal, combina bem com outros arbustos de necessidades semelhantes. As suas folhas finas dão um destaque especial às flores maravilhosas de boa durabilidade. Para aproveitar bem o potencial desta planta ela deve ser usada em grupos de 3 ou 5 mudas em jardins de rochas em colinas.

Nome Científico: Leptospermum scoparium
Nome Popular: Myrtha branca / rosa
Família: Myrtaceae
 
Lonicera japonica

Lonicera japonica

 
Trepadeira semi-lenhosa, muito vigorosa, originária da China e Japão. Apresenta inflorescências axiliares, com flores tubulosas de cor branco-amarelada muito perfumadas, formadas durante um longo período da primavera até o verão. É frequentemente encontrada em estado espontâneo na região sul do país revestindo principalmente cercas, mas é também apropriada para cobrir pérgolas e caramanchões. Em certas regiões é considerada invasora. As flores são muito visitadas pelos beija-flores.

Nome Científico: Lonicera japonica
Nome Popular: Madressilva creme
Família: Caprifoliaceae
 
Alamanda amarela

Alamanda amarela


Trepadeira semi-lenhosa do Brasil, lactescente, vigorosa de folhas brilhantes. Suas flores amarelas em forma de funil florescem quase todo ano, principalmente na primavera-verão. Ideal para lugares ao pleno sol. No início precisa ser conduzido em suportes. Pode ser usada em caramanchões, portais e cercas. Não comporta temperaturas baixas.

Nome Científico: Allamanda cathartica
Nome Popular: Alamanda amarela
Família: Apocynaceae 
 
Sete léguas

Sete léguas


Trepadeira semi-lenhosa muito vigorosa, originária da Austrália e Arquipélago Malaio. Folhagem perene e decorativa, floresce durante quase o ano todo, tendo flores de cor rósea. Usada para revestir caramanchões grandes, muros ou cercas extensas. Comporta temperaturas baixas, não se desenvolvendo bem em regiões tropicais.

Nome Científico: Podranea ricasoliana
Nome Popular: Tecoma, Sete léguas
Família: Bignoniaceae
 
Westringia fruticosa

Westringia fruticosa

 
Arbusto que atinge altura de 1,5 m e até 4 m de largura. Tolera temperaturas de -7ºC até 50ºC. Aceita bem podas e sempre verde (cerca viva). Vai bem ao sol e meia sombra, aprecia um pouco de sombra ao final da tarde no verão, comportando vento e maresia. Aceita solos pobres, mas bem drenados indicado para o litoral. Floresce o ano inteiro mais intensivo primavera e verão. A multiplicação é feita através de estacas lenhosas ou semi lenhosas e a irrigação deve ser pouco a moderado.

Nome Científico: Westringia fruticosa
Nome Popular: Alecrim australiano, Alecrim do litoral
Família: Lamiaceae
 
Bougainvillea spectabilis dobrado

Bougainvillea spectabilis dobrado

 
São plantas trepadeiras com espinhos originárias da América tropical e subtropical. Muito cultivada em todo mundo, de crescimento vigoroso formando troncos lenhosos. Suas folhas são ovaladas e alternadas. As flores singelas ou dobradas apresentam-se pequenas e tubulares, envolvidas por três brácteas vistosas, bem coloridas em forma de pétala com inflorescências terminais grandes que surgem dos caules arqueados ou pendentes durante vários meses do ano.

Nome Científico: Bougainvillea spectabilis dobrado
Nome Popular: Três Maria branca com rosa / laranja / rosa / vermelha
Família: Nyctaginaceae
 
Roseira cityflowers 'Satina'

Roseira cityflowers 'Satina'

 
Hábito leve e compacto com grande abundância de flores duplas num amável tom cor de rosa. Variedade muito robusta e de longa duração. Indicada para o uso em grandes vasos, jardins residenciais e em jardins públicos: 4 a 5 mudas/m².

Nome Científico: Rosa híbrida
Nome Popular: Roseira cityflowers 'Satina'
Família: Rosaceae
 
Leptospermum scoparium

Leptospermum scoparium


Arbusto ou árvore pequena de flores com fragrância e altamente decorativas. Esta planta vai muito bem a locais quentes e secos, tolerante aos ventos marítimos (litoral). Pode ser usada como cerca formal e informal, combina bem com outros arbustos de necessidades semelhantes. As suas folhas finas dão um destaque especial às flores maravilhosas de boa durabilidade. Para aproveitar bem o potencial desta planta ela deve ser usada em grupos de 3 ou 5 mudas em jardins de rochas em colinas.

Nome Científico: Leptospermum scoparium
Nome Popular: Myrtha branca
Família: Myrtaceae
 
Impatiens folha escura vermelha

Impatiens folha escura vermelha


As variedades da linha Harmony se destacam pela grande uniformidade, seu hábito compacto e suas belas flores enormes de formato arredondado que contrastam de maneira formidável com a bela folhagem. Elas tem um excelente performance no jardim e são particularmente tolerantes a altas temperaturas. A oferta de cores fabulosas fazem desta série vibrante uma das mais procuradas no mercado. 

Nome Científico: Impatiens New Guiné
Nome Popular: Impatiens harmony vermelha
Família: Balsaminaceae
 
Nandina anã

Nandina anã

 
A Nandina domestica é uma planta semi-lenhosa da família das Berberidáceas, cada vez mais usada nos jardins do sul do Brasil. Ela é originária da Índia ao Japão. A sua beleza, a rusticidade e a versatilidade são os principais motivos.

Nome Científico: Nandina domestica 'Compacta'
Nome Popular: Nandina anã
Família: Berberidaceae
 
Acer rendado verde

Acer rendado verde

 
Variedade de Acer palmatum de crescimento mais lento, adequado para meia-sombra. As folhas são profundamente cortadas formando uma "obra de arte" da natureza. A coloração outonal dá um charme especial a esta espécie. Muito adequado para o clima serrano.

Nome Científico: Acer palmatum dissectum
Nome Popular: Acer rendado verde
Família: Aceraceae
 
Cassia multijuga

Cassia multijuga

 
Árvore de 6 a 10 metros de altura com folhas compostas. O longo período de floração amarela dá a esta planta grande valor ornamental, não apenas como planta para arborização de ruas, mas também para jardins maiores e sítios. Quando muda adulta, tem boa resistência à temperaturas baixas.

Nome Científico: Senna multijuga
Nome Popular: Cassia multijuga
Família: Leguminosae
 
Lespedeza

Lespedeza


Semi-arbusto muito resistente, indicado para o uso em taludos ou atrás de muros. Aceita muitos tipos de solos, desde que estejam bem drenadas. Precisa de poda drástica na primavera antas da brotação nova.

Nome Científico: Lespedeza
Nome Popular: Lespedeza
Família: Fabaceae 
 
Sapinaria

Sapinaria

 
Árvore de copa larga (árvore de sombra) e folhas pinadas. As folhas novas tem uma coloração cor de rosa a avermelhado, se tornando verde médio no verão, e no outono amarelo manteiga (cor outonal em regiões frias). Miúdas flores amarelas se formam em grandes cachos florais no formato de uma pirâmide durante a metade ate o fim do verão; em seguida se formam decorativas cápsulas com frutas na cor rosa ou avermelhado com certa semelhança ao uma bexiga. Estas cápsulas permanecem durante um longo período na planta e tem certa semelhança com a floração da Bougainvillea. Altura e diâmetro da planta em torno de 10 metros. 

Nome Científico: Koelreuteria paniculata
Nome Popular: Sapinaria, Árvore da China
Família: Sapinaceae
 
Tibouchina Serrana, Quaresmeira da Serra

Tibouchina Serrana, Quaresmeira da Serra

 
Árvore extremamente ornamental quando em floração, podendo ser usada com sucesso no paisagismo em geral. Planta pioneira e de rápido crescimento, é apropriada para reflorestamentos. Floresce durante os meses de julho e setembro. Os frutos amadurecem de dezembro a fevereiro. Inflorescências em panículas terminais paucifloras, com flores pediceladas grandes de cor lilás. Madeira moderadamente pesada, textura média, grã inclinada, pouco resistente e muito susceptível ao ataque de insetos.

Nome Científico: Tibouchina mutabilis 'Serrana'
Nome Popular: Tibouchina Serrana, Quaresmeira da Serra
Família: Melastomataceae
 
Roseira cityflowers

Roseira cityflowers

 
Trata-se de um grupo de rosas muito rústicas indicadas para o uso em paisagismo como forração. Ideal para canteiros grandes e em inclinação. Combinam bem com coníferas e outros arbustos. Uma vez enraizadas, não necessitam mais do que 1 a 2 podas por ano, sempre no inverno, e algumas adubações. Especialmente indicada para grandes áreas onde não é viável replantar flores anuais ou onde o corte do gramado é dificultado.

Nome Científico: Rosa híbrida
Nome Popular: Roseira cityflowers 'Mirato' / 'Satina'
Família: Rosaceae
 
Piracanta amarela anã

Piracanta amarela anã

 
Arbusto de porte médio (pode atingir 3 m de altura e 2,5 m de diâmetro se não podado), folhagem perene, de cor verde escura, muito galhado e com espinhos. Abundante floração primaveril de cor branca, que forma frutos de bom tamanho (1,5 cm), que se colorem num amarelo intenso a partir do verão, permanecendo por muito tempo na planta. Muito ornamental para o uso individual, para formação de cercas vivas ou em floreiras de maior volume.

Nome Científico: Pyracantha coccinea
Nome Popular: Piracanta amarela anã
Família: Rosaceae
 
Nandina domestica

Nandina domestica

 
Arbusto também conhecido como avenca japonesa, sendo muito usada em jardins japoneses. É muito ornamental por sua folhagem em constante mutação cromática, desde o verde-claro até o amarelo-avermelhado antes da queda das folhas no inverno. Possui pequenas flores brancas em forma de cacho que resultam em também pequenos frutos esféricos, vermelhos e vistosos. Existe também a variedade com frutos amarelos. É cultivado a meia-sombra ou pleno sol, em vasos, isolada ou em conjuntos bordejando muros e paredes.

Nome Científico: Nandina domestica
Nome Popular: Nandina
Família: Berberidaceae
 
Berberis 'Red Pillar'

Berberis 'Red Pillar'

 
Arbusto de maior crescimento dentro das variedades de sua espécie. Apresenta folhagens muito densas de cor púrpura. Seus galhos todos paralelos em crescimento vertical lhe dão uma atrativa forma colunar. Planta muito indicada para divisórias ou pela silhueta única para o uso em jardins rochosos ou conjuntos com coníferas.

Nome Científico: Berberis thumbergii 'Red Pillar'
Nome Popular: Berberis 'Red Pillar'
Família: Berberidaceae
 
Cedrus atlantica 'Glauca'

Cedrus atlantica 'Glauca'

 
Variedade raríssima no Brasil de folhas azuladas. Ideal para lugares ao pleno sol, e usado como planta isolada em locais bem expostos. Planta de silhueta bastante "dramática". É uma árvore de grande porte, de 30 a 35 m de altura, com um diâmetro de 1,5 a 2 m. É muito semelhante ao Cedro do Líbano. O comprimento da folha é de 10 a 25 mm. Cedrus atlantica é comum no cultivo como árvore ornamental em climas temperados. No jardim são plantadas como árvores ornamentais.

Nome Científico: Cedrus atlantica 'Glauca'
Nome Popular: Cedrus atlantica 'Glauca'
Família: Pinaceae
 
Louro condimento

Louro condimento

 
Suas folhas são muito utilizadas na culinária de vários países como condimento, sendo muito utilizadas também na área da medicina tradicional, sendo considerado um estimulante de apetite e da digestão, anti-séptica. Extremamente empregada contra reumatismo e distúrbios digestivos. Altura de até 2 m e de floração branca, o louro prefere solos ricos em nutrientes, úmidos e bem drenados ao pleno sol. O louro é um dos principais integrantes do "bouquet garnii", juntamente com salsinha, tomilho e alguns grãos de pimenta. Ele dá aquele gosto refinado em sopas, gratinados, carnes, peixes como também em molhos. Antes de servir a folha deve ser retirada.

Nome Científico: Laurus nobilis
Nome Popular: Louro condimento
Família: Solaneaceae
 
Acer

Acer

 
Nome Científico: Acer buergerianum
Nome Popular: Acer buergerianum
Família: Aceraceae

Nome Científico: Acer palmatum 'Chishio'
Nome Popular: Acer minimundo
Família: Aceraceae
 
Cuphea melvillea

Cuphea melvillea

 
Planta perene, de 1 a 1,5 m de altura, natural do sul da América, folhas longas e ásperas. Flores tubulares, a principio esbranquiçadas e depois vermelho, formadas durante o verão. Tolerante a locais úmidos e brejosos, é adequada para cultivo a pleno sol, na margem de córregos, lagos, represas e canais com umidade permanente.

Nome Científico: Cuphea melvilla
Nome Popular: Cuphea eminis melvillea
Família: Lythraceae
 
Árvore de jacaré

Árvore de jacaré

 
Árvore altamente ornamental pelas folhas similares ao Acer ou ao Plátano, muito ornamental pelo colorido das suas folhas no outono. Antes de cair elas se tornam do verde para as tonalidades laranja, vermelho e purpúrea. Esta espécie mostra uma boa coloração outonal não somente em climas frios mas também em climas amenos e mais quentes. Um charme especial é a cortiça que se forma no tronco e especialmente nos galhos. A seiva tem um gosto doce e é usada na confeitaria. Se trata de uma árvore de crescimento rápido para o clima frio comportando temperaturas mais baixas. O Liquidambar se adapta bem em diversos solos mas prefere solos ricos com argila e boa umidade. Ele tem um enorme potencial paisagístico ainda pouco explorado. A sua madeira pode ser usada para a fabricação de móveis e compensados.

Nome Científico: Liquidambar styraciflua
Nome Popular: Árvore de jacaré
Família: Hamamelidaceae
 
Rosa de sharon tricolor

Rosa de sharon tricolor

 
Pequeno arbusto com galhos roxos e folhagem variegata muito decorativa. As folhas apresentam uma margem de coloração branco-creme com roxo matizado, o centro da folha é verde. A planta apresenta uma abundante floração amarela durante a primavera, verão e inverno, sendo muito usada para jardins pequenos, como excelente cobertura de solo. Gosta de solos férteis e bem drenados. Podas regulares mantêm esta planta em boa forma.

Nome Científico: Hypericum moserianum 'Tricolor'
Nome Popular: Rosa de sharon tricolor
Família: Guttiferae
 
Juniperus conferta 'Blue Pacific'

Juniperus conferta 'Blue Pacific'

 
Conífera rasteira vigorosa, de rápido crescimento e de grande aderência ao solo, comportando-se como uma cobertura de solo. Apresenta folhas em forma de agulhas de cor azul esverdeadas. Na sua origem, ela é muitas vezes usada no lugar de gramados. Vai bem aos mais diversos solos inclusive em solos arenosos no litoral.

Nome Científico: Juniperus conferta
Nome Popular: Juniperus conferta 'Blue Pacific'
Família: Cupressaceae
 
Lavandula dentata

Lavandula dentata

 
Trata-se de um pequeno arbusto de altura média alcançando até 1 m de altura e 1,5 m de largura. Única espécie de alfazema que floresce satisfatoriamente no clima do sul do Brasil, ela tem uma densa e aveludada folhagem na cor branca – cinza e flores na cor púrpura do tamanho de um dedo com intensa fragrância típica de alfazema. Ela floresce todo verão até o outono.

Nome Científico: Lavandula angustifolia
Nome Popular: Lavandula dentata
Família: Lamiaceae
 
Echinacea purpurea

Echinacea purpurea

 
A Echinacea purpúrea Primadonna é uma excelente escolha para canteiros de plantas perenes ou dentro de grandes containeres como partes centrais. As flores grandes com 12 a 15 cm de diâmetro no formato de uma margarida, atraem borboletas para qualquer cantinho do jardim. Pode ser usada para formar densas manchas vivas no jardim combinando bem com plantas azuis (Sálvia farinácea, Scabiosa, Delphium) ou dentro de vasos como flores de corte.

Nome Científico: Echinacea purpurea
Nome Popular: Echinacea primadonna 'Deep Rose' / 'White'
Família: Asteraceae
 
Calliandra brevipes

Calliandra brevipes

 
Arbusto muito ramificado, nativo do Brasil, de 1 a 2 m de altura, com florescimento exuberante. Flores numerosas, muito pequenas, seu florescimento ocorre durante a primavera e o verão. Cultivada como planta isolada ou em conjuntos, sempre em pleno sol , tolerante a geadas e ao frio, seu florescimento é muito exuberante no sul do país.

Nome Científico: Calliandra brevipes
Nome Popular: Caliandra branca/rosa
Família: Leguminosae
 
Abélia grandiflora compacta

Abélia grandiflora compacta


Variedade de baixo porte, altura de 0,90 a 1,20 m. O tamanho e a cor da folha e se identificam com as da Abelia grandiflora. Ela é indicada para o uso de topiarias e pequenas cercas vivas.

Nome Científico: Abelia grandiflora 'Nana'
Nome Popular: Abélia grandiflora compacta
Família: Caprifoliaceae
 
Viburnum suspensus

Viburnum suspensus

 
Este Viburnum forma um arbusto sempre verde com altura entre 1,80 a 3,70 m com densa folhagem verde escura, folhas ovais a oblongas (comprimento de até 9 cm e diâmetro 5 cm) muito brilhante e resistente (quase com aspecto de couro) no lado de cima e mais pálido no lado de baixo. As pequenas flores brancas levemente tingidas de rosa aparecem em forma de cachos durante o verão seguindo de frutos vermelhos alaranjados.

Nome Científico: Viburnum suspensus
Nome Popular: Viburno
Família: Caprifoliaceae
 
Três Marias

Três Marias


São plantas trepadeiras com espinhos originárias da América tropical e subtropical. Muito cultivada em todo mundo, de crescimento vigoroso formando troncos lenhosos. Suas folhas são ovaladas e alternadas. As flores singelas ou dobradas apresentam-se pequenas e tubulares, envolvidas por três brácteas vistosas, bem coloridas em forma de pétala com inflorescências terminais grandes que surgem dos caules arqueados ou pendentes durante vários meses do ano.

Nome Científico: Bougainvillea spectabilis
Nome Popular: Três Maria amarela / rosa / variegata / vermelha
Família: Nyctaginaceae 
 
Allamanda cathartica

Allamanda cathartica

 
Trepadeira semi-lenhosa do Brasil, lactescente, vigorosa de folhas brilhantes. Suas flores amarelas em forma de funil florescem quase todo ano, principalmente na primavera-verão. Ideal para lugares ao pleno sol. No início precisa ser conduzido em suportes. Pode ser usada em caramanchões, portais e cercas. Não comporta temperaturas baixas.

Nome Científico: Allamanda cathartica
Nome Popular: Alamanda amarela / vermelha
Família: Apocynaceae
 
Ficus binnendijkii 'Aurea'

Ficus binnendijkii 'Aurea'

 
As plantas do gênero Fícus apresentam grandes diversidades de tamanho, certas espécies não passam de 30 cm de altura, outras chegam a atingir o teto, se não forem podadas. A figueira-benjamim possui folhas pontudas e brilhantes de até 10 cm comprimento e troca cheio de ramos graciosamente arqueados.

Nome Científico: Ficus binnendijkii 'Aurea'
Nome Popular: Ficus binnendijkii 'Aurea'
Família: Moraceae
 
Palmeira Real

Palmeira Real


Palmeira solitária, elegante, provida de palmito grande, de 8 a 10 m de altura. Caule cilíndrico e não dilatado na base, levemente anelado, de 18 cm em média de diâmetro. Folhas pinadas, de 2 a 3 m de comprimento, variáveis, pouco ou fortemente recurvadas, às vezes eretas, com pinas longas, de cor verde em ambas as faces. Inflorescências muito ramificadas, grandes, pendentes, dispostas abaixo do palmito, de coloração branca quando jovem. Frutos esféricos, vermelhos, pequenos.

Nome Científico: Archontophoenix cunninghamii
Nome Popular: Palmeira real
Família: Palmae 
 
Brugmansia rosea

Brugmansia rosea


Planta com flores extra-grandes, que são ainda maiores do que os das variedades Brugmansia comuns. Eles podem atingir um comprimento de 35 a 40 cm e gradualmente mudar de cor de rosa pálido ao profundo. Esta planta exala uma impressionante fragrância deliciosa.

Nome Científico: Brugmansia arborea rosea
Nome Popular: Brugmansia rosea
Família: Solanaceae
 
Alecrim australiano

Alecrim australiano

 
Arbusto que atinge altura de 1,5 m e até 4 m de largura. Tolera temperaturas de -7ºC até 50ºC. Aceita bem podas e sempre verde (cerca viva). Vai bem ao sol e meia sombra, aprecia um pouco de sombra ao final da tarde no verão, comportando vento e maresia. Aceita solos pobres, mas bem drenados indicado para o litoral. Floresce o ano inteiro mais intensivo primavera e verão. A multiplicação é feita através de estacas lenhosas ou semi lenhosas e a irrigação deve ser pouco a moderado.

Nome Científico: Westringia fruticosa
Nome Popular: Alecrim australiano, Alecrim do litoral
Família: Lamiaceae
 
Spirea

Spirea

 
Arbusto de baixa altura (até 80 cm) muito ramificado formando uma folhagem compacta. Folhas alternadas em forma de lança levemente serrada de cor verde dourada desde a primavera até o outono com brotos terminais roxos. Tem uma atrativa coloração roxa da sua folhagem no outono antes da queda das folhas. Indicado para o uso em pequenas cercas vivas ou em grupos.

Nome Científico: Spirea japonica
Nome Comercial: Grinalda amarela creme

Nome Científico: Spirea bumalda 'Goldflame'
Nome Comercial: Grinalda chama de ouro

Nome Científico: Spirea bumalda hybrida
Nome Comercial: Grinalda roxa

Família: Rosaceae
 
Jasmim dos açores

Jasmim dos açores

 
Trepadeira semi-lenhosa originária das Ilhas Canárias, muito ramificadas com ramagem densa, folhagem e florescimento ornamental. Folhas com três folíolos lisos e coriáceos. Inflorescência com flores estreladas brancas, muito perfumadas, formadas no decorrer de quase todo ano, principalmente no verão-outono. Adequada para revestir pérgolas, cercas, grades e pórticos por ter crescimento moderado. É resistente a geadas.

Nome Científico: Jasmim azoricum
Nome Popular: Jasmim dos açores
Família: Oleaceae
 
Hibisco branco com vermelho

Hibisco branco com vermelho

 
Arbusto oriundo da Ásia, de porte alto, rústico e de rápido desenvolvimento. As folhas são recortadas e caem no inverno. Ocorre uma expressiva floração branca, arroxeada e rósea, dobrada ou não, durante quase todo o ano, com exceção dos meses frios. Seu crescimento é ereto, sendo bom para cercas-vivas ou para uso em calçadas, quando podado por baixo. Tolera frio, mas seu cultivo é indicado ao pleno sol, isolado, em conjuntos ou renques junto a paredes, muros ou cercas.

Nome Científico: Hibiscus syriacus
Nome Popular: Hibisco branco com vermelho
Família: Malvaceae
 
Gaura lindheimeri

Gaura lindheimeri

 
Gênero com cerca de 20 espécies de plantas anuais, bianuais, perenes e subarbustos de lugares úmidos e dos campos da América do Norte. Elas têm folhas alternadas, simples, rosetadas em forma de lança a ovais ou em forma de colher. A flor branca simples em forma de estrela normalmente tem 4 pétalas. Trata-se de uma planta graciosa para canteiros que prefere solos férteis, úmidos, mas bem drenados ao pleno sol, porém tolera seca e sombra parcial. Em períodos de alta umidade (inverno) ela é suscetível a manchas foliares.

Nome Científico: Gaura lindheimeri
Nome Popular: Gaura branca / rosa
Família: Onagraceae
 
Cinerária marítima miúda

Cinerária marítima miúda

 
Trata-se de uma planta de textura que dá destaque para as outras plantas ao redor. Deve ser usada em forma de bordadura em tufos ou “manchas” brancas dentro de maiores áreas de plantas anuais. Também pode ser usada em vasos, floreiras, containeres grandes na parte da frente dando um “clareamento” em todo conjunto. Aceita uma larga variedade de solos desde que estejam bem drenados, prefere pleno sol ou sombra parcial.

Nome Científico: Cineraria maritima
Nome Popular: Cinerária marítima miúda
Família: Asteraceae
 
Justicia vermelha

Justicia vermelha


Arbusto grande, nativo da Venezuela, de 3 a 5 metros de altura, muito ramificado. Flores gvermelhas randes, muito douráveis, firmes e vistosas, que se formam durante a primavera e verão, muito visistadas pelos beija-flores. Geralmente é cultivada como planta isolada, mas fica muito bem em conjuntos em parques e jardins grandes, em canteiros ricos em matéria orgânica e irrigados periodicamente. A sua poda anual revigora e melhora muito seu florescimento.

Nome Científico: Megaskepasma erythrochlamys
Nome Comercial: Justicia vermelha
Família: Acanthaceae
 
Amor agarradinho

Amor agarradinho


Trepadeira semi-herbácea originária do México, de raízes tuberosas, muito florífera, de ramagem densa, fina e com gavinhas. Folhas simples e pubescentes. Inflorescências formadas durante as estações de primavera-verão, com muitas flores duráveis, cor-de-rosa ou brancas, muito visitadas por abelhas. É cultivada para revestimento de cercas, caramanchões, grades, muros e pórticos, em solos enriquecidos com material orgânico. Pode ser cultivada em todo o país.

Nome Científico: Antigonon leptopus
Nome Popular: Amor agarradinho branco / rosa
Família: Polygonaceae
 
Triallis

Triallis

 
Semi-lenhoso e muito ramificado nativo do Brasil. Atingindo de 1 a 2 m de altura, possui uma ramagem aberta, com folhas coriáceas, finas e elítico-alongadas. Ocorrem inflorescências terminais e alongadas, com flores pequenas, amarelas e vistosas, formados durante quase todo ano. É cultivada a pleno sol, isolada, em conjuntos ou renques, ao longo de grades e muretas. É bastante rústica e pouco exigente, porém sensível a geadas fortes.

Nome Científico: Galphimia brasiliensis
Nome Popular: Triallis
Família: Malpighiaceae
 
Pyracantha coccinea

Pyracantha coccinea

 
Gênero com 7 espécies de arbustos eretos, ocasionalmente árvores, sempre verdes e espinhosas. Na natureza ocorre em matagais ou na margem de matas no Sul da Europa até Sudeste da Ásia, no Himalaia, China e Taiwan. São cultivados por causa de sua folhagem, suas flores, especialmente por causa de suas frutas. A floração ocorre durante o verão e seguido pela frutificação que dura de tarde no verão, ou outono até o inverno. As frutas têm formato redondo, são muito ornamentais e ocorrem nas cores vermelho laranja e amarelo. Os frutos servem de alimento para os passarinhos durante o inverno. As sementes ingeridas pelo homem podem causar leve irritação no estômago.

Nome Científico: Pyracantha coccinea
Nome Popular: Piracanta amarela anã / laranja anã / 'Vanhedeni'
Família: Rosaceae
 
Dipladenia amarela

Dipladenia amarela


Trepadeira de rápido desenvolvimento, originária da Ámerica Tropical, pode atingir até 4 m de altura. As folhas são oblongas de 10 a 20 cm de comprimento. Floresce na primavera-verão, apresentando flores graúdas na cor amarela, com garganta amarela. Prefere locais à pleno sol e substrato úmido e rico em matéria orgânica. ideal para ser conduzida em treliças ou estruturas, além de apresentar crescimento acelerado em locais com altas temperaturas.

Nome Científico: Mandevilla (sin. Dipladenia)
Nome Popular: Dipladenia amarela
Família: Apocynaceae
 
Hortensia paniculata 'Limelight'

Hortensia paniculata 'Limelight'


Arbusto vigoroso com crescimento ereto levemente alargado com folhas ovais levemente pontudas e serradas nas margens, cor verde claro à verde escuro, ela perde as folhas no outono. As flores na cor branca creme surgem mais tarde no verão ou no inicio do outono e podem atingir até 20 cm ou mais de comprimento, elas se tornam mais tarde cor de rosa. Para obter flores maiores recomendamos a poda dos galhos do ano anterior deixando somente alguns botões.

Nome Científico: Hydrangea paniculata 'Limelight'
Nome Popular: Hortensia paniculata 'Limelight'
Família: Saxifragaceae
 
Amora americana

Amora americana


Arbusto muito robusto, que comporta bem o clima do sul do Brasil, com miúdos frutos brancos em forma de cachos. Variedade indicada para uso em grupos ou dentro de cercas vivas informais. Prefere solos férteis e bem drenados, ao pleno sol. Aceita bem podas, que se forem regulares, mantêm a planta em forma.

Nome Científico: Callicarpa americana (var. lactea)
Nome Popular: Amora americana branca / rosa
Família: Verbenaceae
 
Canna indica 'Tropical'

Canna indica 'Tropical'

 
Variedade baixa, multiplicado via sementes, neutro ao comprimento do dia, bem ramificado, floresce dentro de 90 a 120 dias dependente da temperatura. Seu uso se define para jardins, canteiros, containeres e vasos, também muito indicado para áreas alargadas em volta de jardins de água (banhados). Sua floração consiste em flores simples, em forma de cachos terminais nas cores: vermelho, cor de rosa, salmão, branco ou amarelo. No jardim, recomenda-se a poda para estimular a formação de flores novas. Prefere clima quente e úmido acima de 25ºC.

Nome Científico: Canna generalis
Nome Popular: Canna indica 'Tropical' Red, Rose, Salmon, White, Yellow
Família: Cannaceae
 
Árvore de fogo

Árvore de fogo

 
Árvore colunar com galhos eretos. As folhas são brilhantes, verde-escuras e sua resistência se assemelha ao couro. Elas têm margens onduladas e podem alcançar até 60 cm de comprimento. Plantas a partir de 3 m de altura ou 7 anos de idade, geralmente ganham enormes cachos de flores na cor vermelha e em forma de uma roda na cor laranja com raios amarelos. Estes cachos de flores se formam junto ao tronco durante o verão. Flores desta planta são altamente decorativas e uma surpresa para qualquer um. A planta adulta pode alcançar de 20 a 30 m e de 5 a 15 m de diâmetro. O Stenocarpus gosta de lugares ao pleno sol com alguma sombra ao meio dia, mas comporta bem lugares de meia sombra.

Nome Científico: Stenocarpus sinuatus
Nome Popular: Árvore de fogo
Família: Protaceae
 
Três Marias

Três Marias

 
São plantas trepadeiras com espinhos originárias da América tropical e subtropical. Muito cultivada em todo mundo, de crescimento vigoroso formando troncos lenhosos. Suas folhas são ovaladas e alternadas. As flores singelas ou dobradas apresentam-se pequenas e tubulares, envolvidas por três brácteas vistosas, bem coloridas em forma de pétala com inflorescências terminais grandes que surgem dos caules arqueados ou pendentes durante vários meses do ano.

Nome Científico: Bougainvillea spectabilis
Nome Popular: Três Maria amarela / branca / laranja / pink / rosa / roxa / variegata / telha / vermelha
Família: Nyctaginaceae
 
Jasmins

Jasmins

 
Nome Científico: Jasmim azoricum
Nome Popular: Jasmim dos açores

Nome Científico: Jasminum parkeri
Nome Popular: Jasmim amarelo anão

Nome Científico: Jasminum polyanthum
Nome Popular: Jasmim dos poetas

Família: Oleaceae
 
Hibiscus syriacus

Hibiscus syriacus

 
Arbusto oriundo da Ásia, de porte alto, rústico e de rápido desenvolvimento. As folhas são recortadas e caem no inverno. Ocorre uma expressiva floração branca, arroxeada e rósea, dobrada ou não, durante quase todo o ano, com exceção dos meses frios. Seu crescimento é ereto, sendo bom para cercas-vivas ou para uso em calçadas, quando podado por baixo. Tolera frio, mas seu cultivo é indicado ao pleno sol, isolado, em conjuntos ou renques junto a paredes, muros ou cercas.

Nome Científico: Hibiscus syriacus
Nome Popular: Hibisco branco / lilás / variegata
Família: Malvaceae
 
Hibiscus sinensis

Hibiscus sinensis

 
Arbusto de grande porte (até 3 m de altura), rústico e de rápido crescimento, oriundo da Ásia Tropical, onde é a flor símbolo do Havai. Suas folhas são perenes e podem ser largas ou estreitas, variegadas ou não, grandes ou pequenas, simples ou dobradas, de pétalas inteiras ou crespas, solitárias e de inúmeras cores, florescendo durante todo o ano. É uma planta excelente para cercas-vivas altas e para o uso na praia, pois é sensível a geadas.

Nome Científico: Hibiscus sinensis
Nome Popular: Hibisco amarelo / laranja / rosa / salmão / vermelho / variegata
Família: Malvaceae
 
Gailardia arizona sun

Gailardia arizona sun

 
A Gailardia tem grandes flores alaranjadas envoltas por um anel amarelo, que atrai borboletas, que florescem no verão. Indicado para locais quentes, tolera a seca, bom para flor de corte. As extremidades das pétalas têm uma aparência de rasgado.

Nome Científico: Gailardia
Nome Popular: Gailardia arizona sun
Família: Asteraceae
 
Celosia cristata

Celosia cristata

 
Planta ereta, para uso em canteiros e bordaduras, containeres e como flor de corte. Prefere luminosidade média. Período da floração, no Sul do Brasil, principalmente do verão até o outono. Alcança a altura de 15 a 90 cm. A distância do plantio deve ser entre 20 a 30 cm. A textura da folhagem é média e sua tolerância ao calor é alta. A irrigação é necessária em períodos de desenvolvimento e baixa depois do enraizamento. Cresce em qualquer solo de jardim poroso. Ácaros e manchas folhares podem causar problemas eventuais. 

Nome Científico: Celosia argentea (var. Cristata)
Nome Popular: Celosia cristata variada
Família: Amaranthaceae
 
Botão de ouro

Botão de ouro


Planta anual/perene. Sua época da floração é da primavera ao verão. Origem: America do Sul. Alcança a altura de 15 a 20 cm, e prefere sol ou meia sombra. Uso em canteiros, floreiras, vasos e containeres. Planta muito durável, florífera e resistente em regiões quentes e com alta umidade (litoral). 

Nome Científico: Melampodium paludosum 'Golden Globe'
Nome Popular: Botão de ouro
Família: Asteraceae
 
Astera azul

Astera azul


Planta perene de longa duração que deve ser plantada no jardim ao pleno sol, porém dura um bom período dentro de casa. Solos férteis que mantenham a umidade mas que estejam bem drenados, são os mais indicados. A astera é uma planta que não gosta de secar e precisa ser irrigada e adubada regularmente para ficar saudável. Como planta de dia curto ela floresce com mais abundância durante o período de dias curtos (outono e inverno) mas a nossa experiência nos mostra que no Sul do Brasil ela também floresce no verão. A altura final no jardim é de 40 a 60 cm. A astera pode ser usada em canteiros, vasos e floreiras de maior porte, junto com flores da estação, outras plantas perenes ou em conjuntos com pequenos arbustos, rosas e coníferas de pequeno porte.

Nome Científico: Aster novi-belgii Hybrido
Nome Popular: Astera azul
Família: Asteraceae
 
Jasmim de Madagascar

Jasmim de Madagascar


Trepadeira volúvel, lactescente, de crescimento moderado, originária de Madagascar, pouco ramificada, com folhas espessas, coriáceas e muito duráveis. Inflorescências axiliares, ramificadas, com flores tubulares, brancas, cerosas, muito perfumadas, produzidas na primavera-verão. As inflorescências foram muito utilizadas na confecção de buquês de noivas, pelo aspecto e duração das flores. Adequada para revestir grades e pórticos, ou para ser apoiada em colunas e postes, a pleno sol ou a meia sombra, em solos permeáveis, irrigados a intervalos. É pouco tolerante a baixas temperaturas.

Nome Científico: Stephanotis floribunda
Nome Popular: Jasmim de Madagascar
Família: Asclepiadaceae
 
         
 
Floricultura Úrsula EMPRESA
Institucional
News
Perguntas Frequentes
Localização
Trabalhe Conosco
Contatos
SEGMENTOS
Gartencenter
Samenhaus
Atacado
COMPARTILHE
Floricultura Ursula © Copyright 2017 - Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento: Wcm3 Agência Web Digital Feeling Estúdio de Criação