Pesquisar
Home Institucional Produtos Galeria de Fotos News Perguntas Frequentes Localização Contato
   
 

0 produto(s) adicionado(s)

Ver Lista

Newsletter

Cadastre-se e receba nossas novidades e promoções em seu e-mail.

Visite também

Blog
 
Localização
 
Escolha a categoria Escolha a variedade
 
Planta Destaque
 
» ARQUIVO
» Outubro
» Agosto
» Julho
» Junho
» Maio
» Abril
» Março
» Fevereiro
» 2016
» 2015
» 2014
» 2013
» 2012
Dipladenia rosa

Dipladenia rosa


Trepadeira de rápido desenvolvimento, originária da Ámerica Tropical, pode atingir até 4 m de altura. As folhas são oblongas de 10 a 20 cm de comprimento. Floresce na primavera-verão. Prefere locais ao pleno sol e substrato úmido rico em matéria orgânica. ideal para ser conduzida em treliças ou estruturas, além de apresentar crescimento acelerado em locais com altas temperaturas.

Nome Científico: Dipladenia splendens rosa
Nome Popular: Dipladenia rosa
Família: Apocynaceae
 
Clerodendron

Clerodendron


Trepadeira semi-herbácea da África Ocidental de ramagem longa, folhagem e florescimento decorativos. Folhas ovaladas, fortemente marcadas pelas nervuras, coloração verde escura e brilhante. Inflorescências ramificadas com muitas flores de cálice branco, inflado e corola expandida vermelha formadas na primavera e verão. A ramagem necessita de suporte para a ascensão da planta. Apropriada para guarnecer grades, cercas e pórticos. Não suporta geada. Ideal para lugares a meia sombra.

Nome Científico: Clerodendron thomsonae
Nome Popular: Lágrima de cristo
Família: Verbenaceae 
 
Rudbeckias

Rudbeckias

 
A Rudbeckia é um gênero próprio, parente da Margarida e do Girassol. No Brasil ela é relativamente nova ganhando popularidade de ano em ano graças às suas flores com pétalas chamativas nas tonalidades amarelo, laranja, marrom e o cone central pode variar de verde a marrom ferrugem, púrpura e preto. As flores podem ser simples ou duplas. A altura das espécies pode variar de 30 a 80 cm e são usadas como plantas para canteiros, containeres ou como flor de corte. Elas podem ser usadas isoladas ou em conjunto com outras variedades de Rudbeckias ou flores da estação, rosas, gramíneas, coníferas de porte pequeno ou outras plantas perenes. Rudbeckias preferem solos levemente argilosos que retém umidade mas bem drenados e uma localização ao pleno sol ou na sombra parcial. Elas são moderadamente resistentes a temperaturas baixas.

Nome Científico: Rudbeckia
Nome Popular: Rudbeckia sonora / autumn colors / goldsturm / praire sun
Família: Asteraceae
 
Asteras

Asteras

 
Planta perene de longa duração que deve ser plantada no jardim ao pleno sol, porém dura um bom período dentro de casa. Solos férteis que mantenham a umidade mas que estejam bem drenados, são os mais indicados. A astera é uma planta que não gosta de secar e precisa ser irrigada e adubada regularmente para ficar saudável. Como planta de dia curto ela floresce com mais abundância durante o período de dias curtos (outono e inverno) mas a nossa experiência nos mostra que no Sul do Brasil ela também floresce no verão. A altura final no jardim é de 40 a 60 cm. A astera pode ser usada em canteiros, vasos e floreiras de maior porte, junto com flores da estação, outras plantas perenes ou em conjuntos com pequenos arbustos, rosas e coníferas de pequeno porte.

Nome Científico: Aster novi-belgii Hybrido
Nome Popular: Astera Azul / Vermelho Rubi
Família: Asteraceae
 
Especial de Natal

Especial de Natal


  

No Brasil, a poinsetia (Euphorbia pulcherrima) é mais conhecida como bico-de-papagaio. Ela também tem outros nomes populares, como poinsetia, poinsetia-branca e folha-de-sangue, de acordo com a variedade, que determina as cores de suas brácteas (brancas, róseas ou vermelhas). Mas, lá nos Estados Unidos, onde é considerada um dos símbolos do Natal, a poinsetia recebe nomes sugestivos como Christmas star (estrela-do-natal) ou Christimas flower (flor-do-natal).




A árvore de Natal é uma das mais populares tradições associadas com a celebração do Natal. É normalmente uma árvore conífera de folhas perenes. É costume enfeitá-la com bolas coloridas e outros adornos natalinos.
 
Pitosporum 'Deborah'

Pitosporum 'Deborah'


Arbusto ou pequena árvore muito elegante e nobre, mas ainda é pouco conhecida no Brasil. Suas folhas mescladas se destacam bem de seus galhos pretos. Prefere lugares ao pleno sol ou meia-sombra e solos com boa drenagem. Resiste bem aos ventos. Geralmente, é usado isoladamente ou em grupos junto com outros arbustos de características semelhantes.

Nome Científico: Pittosporum tenuifolium
Nome Popular: Pitosporum 'Deborah'
Família: Pittosporaceae
 
Capim santa fé

Capim santa fé


Gramínea nativa de grande porte (até 1,50 m de altura). A nossa variedade destaca-se pela cor azul. Planta indicada para o uso em grupos ou isolado junto com outras gramíneas, podendo ser usada entre mata nativa e jardim ou para a naturalização. Muito indicada para lugares úmidos ou a beira d'água. Gosta de solos de boa fertilidade e locais ao pleno sol, mas comporta também solos extremos de areia até argila. Suporta ventos mais fortes.

Nome Científico: Panicum prionites
Nome Popular: Capim santa fé
Família: Gramineae
 
Gloxinia

Gloxinia

 
De grande valor ornamental e fácil cultivo, a Gloxinia, com suas folhas e pétalas aveludadas, são flores exóticas que exibem, com suas formas e cores intensas e exuberantes, toda a beleza das matas tropicais. Entre as cores de seus variados tipos encontramos tons laranjas, rosas, vermelhos, roxos e algumas compostas, como púrpura ou vinho com branco nas bordas das pétalas. Por suas características, incluindo o tamanho de suas grandes flores aveludadas que pode chegar a 10 cm de diâmetro, e de sua folhagem, também grande, aveludada, que se apresenta em uma forma oval e muito vistosa, pode se notar sua origem tropical. 

Nome Científico: Gloxinia
Nome Popular: Gloxinia
Família: Gesneriaceae
 
Supertunia

Supertunia


São Petúnias diferentes das que estamos acostumados a ver por ai. Variedade resultante do cruzamento das Petúnias anuais com Petúnias rasteiras nativas da América do Sul. O cruzamento resultou numa vigorosa Petúnia, a qual floresce fortemente, cresce rápido e é muito mais vital do que a sua parente anual. As Supertúnias requerem pouca manutenção, não é necessário tirar folhas secas e flores passadas, a planta se mantém ativamente em flor. Necessita de locais ensolarados, substrato bem drenado e duas vezes por semana um adubo rico em nitrogênio e ferro. Manter o substrato um pouco úmido. Se a planta ficar grande demais ou feia, basta podá-la e reduzir a água. São indicadas para plantio em cestos, vasos, floreiras suspensas e canteiros.

Nome Científico: Petunia híbrida
Nome Popular: Supertunia
Família: Solanaceae
 
Verbena nativa rasteira vermelha

Verbena nativa rasteira vermelha

 
Trata-se de uma planta perene rasteira com 8 a 10 cm de altura com flores na cor vermelha bastante intensiva. Apesar de ser perene ela deve ser tratada como bianual pelo fato que ela perde seu vigor após o segundo ano do plantio. A época principal de sua floração é a primavera mas conforme adubação ela pode se estender bastante para dentro do verão. As flores vermelhas se destacam muito bem por cima das folhas verde escuras. Plantada no lugar certo com boa drenagem e bastante sol, ela forma um carpete muito denso servindo como forração ou na substituição da grama onde não há pisoteio, em áreas inclinadas, áreas menores sem a necessidade de corte.

Nome Científico: Verbena peruviana
Nome Popular: Verbena nativa rasteira vermelha
Família: Verbenaceae
 
Roseira trepadeira vermelha miúda

Roseira trepadeira vermelha miúda

 
Trata-se de um grupo de rosas muito rústicas indicadas para o uso em paisagismo como forração. Ideal para canteiros grandes e em inclinação. Combinam bem com coníferas e outros arbustos. Uma vez enraizadas, não necessitam mais do que 1 a 2 podas por ano, sempre no inverno, e algumas adubações. Especialmente indicada para grandes áreas onde não é viável replantar flores anuais ou onde o corte do gramado é dificultado.

Nome Científico: Rosa híbrida
Nome Popular: Roseira trepadeira vermelha miúda
Família: Rosaceae
 
Petunia nativa purple

Petunia nativa purple


Herbácea perene, ramificada, pubescente, originária da América do Sul, de 20 a 40 cm de altura, com folhas avaladas, viscosas e pubescentes. Flores terminais ou axilares, em forma de funil, rosa arroxeadas, em grande número, formadas durante quase o ano todo. É cultivada a pleno sol, em bordaduras, jardineiras e grandes conjuntos em canteiros bem estercados, permeáveis e irrigados periodicamente. Apesar de perene, os canteiros devem ser renovados anualmente com novo plantio de mudas, devido ao vigor reduzido das plantas. Aprecia o frio, contudo pode ser cultivada nos sub-trópicos.

Nome Científico: Petunia integrifolia
Nome Popular: Petunia nativa purple
Família: Solanaceae
 
Bacopa amarela

Bacopa amarela

 
De primeira vista a Mecardonia parece uma Bacopa de cor amarelo forte e realmente ela é um parente próximo do gênero sutera. Seu hábito rasteiro pendente e o crescimento muito regular com inúmeras folhas miúdas, cor verde esmeralda abaixo das abundantes flores de cor amarelo forte, fazem desta planta nativa brasileira uma planta ornamental considerável. As flores aparecem em abundância a partir de outubro. O hábito regular, perfeito e baixo (3 a 5 cm de altura) fazem desta planta uma cobertura de solo perfeita. A Mecardonia prefere lugares úmidos mas bem drenados, cresce bem em solos pobres e comporta temperaturas baixas. Trata-se de uma novidade no mercado das plantas ornamentais no Brasil. 

Nome Científico: Mecardonia procumbens
Nome Popular: Bacopa amarela
Família: Scrophulariaceae
 
Lantana camara

Lantana camara

 
A Lantana é um arbusto perene, semi-lenhoso que ocorre das Antilhas até o Brasil. Ramos eretos ou reclinados, às vezes com espinhos, com folhas ásperas e espessas. Inflorescência densa, rígida com flores pequenas, formadas no decorrer de quase todo o ano, muito apreciadas por borboletas. É resistente ao calor e à seca. Manter a umidade e oferecer a ela um local a pleno sol. A Lantana camara tem aumentado a sua popularidade nos últimos anos. A resistência ao calor e a seca tornaram esta planta mais popular nos últimos tempos. Muito florífera e resistente.

Nome Científico: Lantana camara
Nome Popular: Lantana rosa, branca, telha, laranja, amarela
Família: Verbenaceae
 
Jacarandá mimoso

Jacarandá mimoso

 
Árvore caducifólia de 12 a 15 m de altura, originária da Argentina, Bolívia e Paraguai, porém cultivada em muitas partes do mundo, pois é uma árvore rústica que suporta tanto clima subtropical quanto tropical ameno e devido à exuberância de sua intensa florada. É adequada para paisagismo em parques e grandes jardins, tolerante a poda e de rápido crescimento. Possui flores indescritíveis pela sua cor azul-violeta em forma de sinos, que surgem em grande quantidade na primavera e início do verão, em geral, quando a copa está desprovida de folhas. Quando não está florido, o jacarandá-mimoso apresenta uma copa de aparência delicada.

Nome Científico: Jacaranda mimosifolia
Nome Popular: Jacarandá mimoso
Família: Bignoniaceae
 
Brinco de princesa da mata

Brinco de princesa da mata

 
Arbusto lenhoso, escandente, ramificado, nativo em regiões de altitude do Brasil, de 1,4 a 3 m de altura, apresentando florescimento vistoso. Folhas simples, sobre ramos pendentes, ovaladas, persistentes e denteadas. Flores axilares, pêndulas, com cálice tubular de cor vermelho-arroxeada, envolvendo a corola roxo-violeta, formadas na primavera-outono. É cultivada a pleno sol ou a meia sombra, geralmente como planta isolada, apoiada em grades, colunas e postes, ou em vasos e jardineiras como planta pendente. Destaca-se por apreciar climas frios e tolerar geadas. As flores são muito visitadas por beija-flores.

Nome Científico: Fuchsia regia
Nome Popular: Brinco de princesa da mata
Família: Onagraceae
 
Campsis grandiflora

Campsis grandiflora

 
Trepadeira semi-lenhosa, de crescimento vigoroso, originária da China e do Japão. Inflorescências terminais, com flores vermelho-alaranjadas, grandes, em forma de trombeta, formadas durante o verão-outono. Perde as suas folhas no inverno. Cultivada ao longo de grades, cercas ou tendo como suporte muros, paredes e pórticos. É resistente a geadas, desenvolvendo-se melhor em regiões de clima ameno.

Nome Científico: Campsis grandiflora
Nome Popular: Campsis laranja, vermelho
Família: Bignoniaceae
 
Weigelia

Weigelia

 
A Weigelia é indicada paro uso em canteiros mistos com outros arbustos e serve como cerca viva informal ou para formar grupos dentro de gramados. O fato de ela precisar de pouca manutenção faz com que seja indicada especialmente para áreas verdes públicas, chácaras maiores ou casas de veraneio. As suas flores atraem beija-flores e diversos insetos. 

Nome Científico: Weigelia florida
Nome Popular: Weigelia vermelha, rosa, branca
Família: Caprifoliaceae
 
Deutzia

Deutzia

 
Arbusto semi-lenhoso, de 0,9 a 1,5 m de altura, originária do Japão, folhas simples, de margem serrilhada, áspera na parte de cima e lisa na parte de baixo. Flores simples ou compostas, na cor branca, formadas na primavera e parte do verão. Geralmente é cultivada como planta isolada, em terra fertilizada, irrigada periodicamente. Aprecia o frio sendo indicada apenas para as regiões de altitude do sul do país.
 
Nome Científico: Deutzia scabra 'Candidíssima', Deutzia gracilis 'Nana'
Nome Popular: Deutzia branca dobrada, Deutzia gracilis 'Nana'
Família: Saxifragaceae
 
Agapanthus

Agapanthus

 
Herbácea perene para canteiros, também denominado como "Lírio Africano". Possui flores brancas que florescem no verão. Seu crescimento é rápido, tolerando geadas leves. A cada três ou quatro anos, uma divisão e um replante das touceiras favorece a floração. O Agapanthus é um planta muito vistosa, que possui folhas finas, lisas e de verde forte, sempre vivas tendo assim um belo efeito em seu jardim. Planta para ser cultivada em pleno sol e em solo bem drenado. Seu periodo de floração é da primavera ao verão.

Nome Científico: Agapanthus africanus
Nome Popular: Agapanthus branco, azul anão
Família: Liliaceae 
 
Cereja japonesa rosa clara

Cereja japonesa rosa clara

 
Este grupo de cerejas muito chamativo é composto de híbridos os quais são derivados de Prunus serrulata. Eles são geralmente cultivados por causa de sua enorme abundância de flores na primavera e em alguns casos por causa de sua cor outonal. Este grupo é composto de muitas tonalidades e formatos de flores. Em muitos casos o verdadeiro nome da variedade não é conhecido porque as mudas vieram através de imigrantes asiáticos para o Brasil. Temos em cultivo principalmente uma variedade de flores duplas, graúdas (5 a 8 cm de diâmetro) cor de rosa que floresce abundantemente na metade da primavera. Ela é conhecida sob o nome de Prunus “Sakura”.

Nome Científico: Prunus híbrido (grupo Sato-zakura)
Nome Popular: Cereja japonesa rosa clara
Família: Rosaceae
 
Calistemon imperialis

Calistemon imperialis

 
Arbusto ou árvore de porte pequeno e folhagem perene. Suas folhas são estreitas e de coloração verde clara. Possui flores vermelhas que se compõem numa espiga cilíndrica muito compacta, sendo altamente decorativas. A floração é a mais abundante de todo o gênero, ela aparece na primavera, verão e outono, portanto, várias vezes ao ano. Esta espécie é ideal para uso em lugares mais secos e quentes, mas comporta muito bem as geadas. Todos estes fatores fazem com que a muda seja ideal para plantio em calçadas, além de não se importar com a poluição das cidades.

Nome Científico: Calistemon imperialis
Nome Popular: Calistemon imperialis
Família: Myrtaceae
 
Gerânio pac® Mexika

Gerânio pac® Mexika

 
O gerânio-pendente é bastante parecido com a planta ereta, as diferenças são que as flores não têm perfume e as folhas se parecem com folhas de hera, porém são coriáceas e brilhantes. Os gerânios-pendentes têm um efeito excelente em floreiras localizadas em janelas e sacadas. Ficam muito bem em vasos e cestas suspensas também. As inflorescências são grandes, sustentadas por longas hastes pendentes como a folhagem, com flores de diversas cores, simples ou dobradas. Devem ser cultivados a pleno sol, em solo composto de terra de jardim e composto vegetal, bem drenável, com regas regulares. Aprecia ao frio subtropical.

Nome Científico: Pelargonium peltatum
Nome Popular: Gerânio pac® Mexika Granatit, Nealit
Família: Geraniaceae
 
Mini Amor Perfeito 2012

Mini Amor Perfeito 2012


1 - Amor Gold Purple Wing
2 - Amor Orange
3 - Amor Orange Red Wing
4 - Amor Pure White
5 - Amor Super Blue Beacon
6 - Amor Super Blue Botch Bronze
7 - Amor Super Deep Purple Beacon
8 - Amor Super Soft Pink
9 - Amor Super Yellow Purple Wing
10 - Amor White Purple Wing
11 - Amor Super Deep Blue Blotch
12 - Amor Ursinho Sorbet Delf Blue
13 - Amor Urso Blue Jeans
14 - Amor Yellow Blotch Red Wing
 
Ciclamen micro sortido

Ciclamen micro sortido


Esta planta prefere locais claros porém no verão entre 11 a 16 hs; não colocá-la diretamente no sol, na primavera e no outono ela necessita somente pouca exposição ao sol direto e no inverno ela poderá receber luz solar direta. Um local muito claro ou próximo a uma fonte de calor (aquecedor) aumenta a necessidade por água. Em caso de falta de água a planta murcha rapidamente, e devido a isso deve-se evitar a luz solar direta por muito tempo. No verão as plantas devem ser irrigadas diariamente e no inverno diminuir a irrigação observando porém o local onde a planta esta sendo colocada. Caso a planta após meia hora não tenha absorvido toda a água, o restante da água dentro do prato deverá ser retirada, pois o substrato deverá ficar constantemente úmido porém não encharcado por um período maior. A adubação deve ser feita uma vez por semana conforme as instruções do adubo usado. As flores passadas e as folhas amarelas deverão ser retiradas através de uma leve virada ou um curto puxão. Atenção para não deixar restos dos caules pois poderá causar o apodrecimento.

Nome Científico: Cyclamen
Nome Popular: Ciclamen micro sortido
Família: Primulaceae
 
Amor Ursinho

Amor Ursinho

 
Variedade em miniatura com inúmeras flores miúdas (1,5 a 3 cm de diâmetro). A maioria é híbrida F1 entre Viola witrockiana e Viola cornuta. Os Ursinhos são indicados para canteiros, floreiras, vasos e conjuntos.

Nome Científico: Viola witrockiana-híbrida
Nome Popular: Amor Ursinho black white / lavander blue / purple rose face / purple tiger eye / rose wings / white rose wings
Família: Violaceae
 
Acácia mimosa

Acácia mimosa

 
Arbusto ou pequena árvore ereta, livremente galhada, sempre verde, peluda é muitas vezes cultivada por causa de sua folhagem atrativa. As folhas são brancas a brancas azuladas de baixo de forma ovalada oblonga com 2 a 4 cm de comprimento. A Mimosa produz flores em formato de esfera, fragrante na cor amarelo forte, diâmetro das flores é de 1,5 cm formando grandes cachos terminais nos galhos (7 a 15 cm de comprimento). No Sul do Brasil floresce no inverno e na primavera pode atingir 3 a 5 m de altura e 3 a 4 m de diâmetro. Ela é nativa da Austrália e indicada para as zonas climáticas 10 e 11 (4 a -1ºC).

Nome Científico: Acacia podalyriifolia
Nome Popular: Acácia mimosa
Família: Fabaceae
 
Cereja japonesa rosa escura

Cereja japonesa rosa escura

 
Gênero com mais de 200 espécies de árvores ou arbustos, de folhas caducas ou sempre verdes de hábito ereto ou arredondado, largamente distribuído nas regiões temperadas do Hemisfério Norte, nos Andes, na América do Sul e nas montanhas do Sudeste da Ásia. Eles ocorrem principalmente em matagais e nas margens das matas e bosques, mas também numa gama de outros ambientes incluindo áreas arenosas do litoral, lugares rochosos inclusive paredões de rocha na beira do mar. As espécies ornamentais de Prunus são cultivadas por causa de suas flores brancas, cor de rosa ou vermelhas com cinco pétalas (especialmente em forma semi-dobrada ou dobrada), que geralmente são seguidas de frutos carnosos, formato oval ou redondo, notavelmente comestíveis.

Nome Científico: Prunus lannesiana
Nome Popular: Cereja japonesa rosa escura
Família: Rosaceae
 
Mahonia lomarifolia

Mahonia lomarifolia

 
Arbusto de hábito ereto com brotos grossos, eretos produzindo folhas verde-escuras subdivididas em até 41 folículos oblongos - ovais a lançadas, dentadas e fortemente pontiagudas atingindo até 60 cm de comprimento (o número de folículos pode variar de no mínimo 20 até 40). Os cachos de flores cor amarelo-claro são fragrantes, densos e eretos com 20 cm de comprimento e aparecem tarde no outono até o inverno, seguidos de bagas de forma oval cor azul-preto. Esta espécie pode atingir até 3 m de altura e 2 m de diâmetro. A planta vem do oeste da China (Sul do Sichuan, Yunnan) e comporta temperaturas até -12ºC.

Nome Científico: Mahonia lomarifolia
Nome Popular: Mahonia
Família: Berberidaceae
 
Piracanta 'Vanhedeni'

Piracanta 'Vanhedeni'

 
Arbusto de porte médio, de crescimento rápido e muito vigoroso. Folhagem perene de cor verde intenso, brilhante, muito ramificado e com espinhos. Floração primaveril abundante, de cor branca em forma de cachos. Toda a planta parece coberta por uma manta branca. Logo continua com uma frutificação muito abundante de frutos redondos (seleção de frutos grandes e frutificação precoce), grandes de cor vermelha escarlate que permanecem até tarde no outono. Ideal para o uso como cerca viva, isoladamente ou em grupos.

Nome Científico: Pyracantha 'Vanhedeni'
Nome Popular: Piracanta 'Vanhedeni'
Família: Rosaceae
 
Coleus gigante

Coleus gigante

 
Planta perene da família Lamiaceae, as duas varieades devem ser plantados em conjunto, para dar um contraste com a mistura da folhas de cores amarelo e vermelho. Planta indicada para meia-sombra, combina muito bem com Begonia Big, Plectranthus diversos, Batata doce de cor vermelha ou amarela, Coleus de folha miúda e outras plantas de sombra. 

Nome Científico: Coleus Exhibition
Nome Popular: Coleus Limão Gigante, Vermelho Palisandra
Família: Lamiaceae
 
Cassia regis

Cassia regis


Árvore de médio porte nativa do Brasil. É dona de uma vistosa floração amarelo-ouro que floresce durante largo período, no verão e no outono. Seu crescimento é rápido e tolera leve frio.

Nome Científico: Senna macranthera
Nome Popular: Cassia regis
Família: Leguminosae
 
Capim dos pampas branco

Capim dos pampas branco

 
Gramínea nativa do Rio Grande do Sul muito comum nos barrancos da serra gaúcha. É uma planta muito rústica que se destaca pela beleza singular de sua inflorescência de cor branca ou rosada em forma de grandes penachos que ocorrem no verão. É resistente a seca e deve ser usada isolada em locais de destaque no jardim e em áreas públicas como viadutos ou grandes gramados. Requer pouca manutenção.

Nome Científico: Cortadeira selloana
Nome Popular: Capim dos pampas branco
Família: Graminaceae
 
Tibouchinas

Tibouchinas

 
Árvore muito ramificada, com florescimento vistoso, nativa do Brasil. Flores solitárias ou agrupadas nas extremidades da ramagem, tubulosas, mutáveis, formadas geralmente no inverno, ao contrário da forma arbórea normal que floresce no verão. Cultivada isoladamente ou em grupos formando conjuntos ou renques.

Nome Científico: Tibouchina 
Nome Popular: Tibouchina roxa / serrana / nana / granulosa / rosa / glandiflora
Família: Melastomataceae
 
Piracanta amarela anã

Piracanta amarela anã

 
Arbusto de porte médio (pode atingir 3 m de altura e 2,5 m de diâmetro se não podado), folhagem perene, de cor verde escura, muito galhado e com espinhos. Abundante floração primaveril de cor branca, que forma frutos de bom tamanho (1,5 cm), que se colorem num amarelo intenso a partir do verão, permanecendo por muito tempo na planta. Muito ornamental para o uso individual, para formação de cercas vivas ou em floreiras de maior volume.

Nome Científico: Pyracantha coccinea
Nome Popular: Piracanta amarela anã
Família: Rosaceae
 
Hortensia paniculata

Hortensia paniculata

 
Arbusto vigoroso com crescimento ereto levemente alargado com folhas ovais levemente pontudas e serradas nas margens, cor verde claro à verde escuro, ela perde as folhas no outono. As flores na cor branca creme surgem mais tarde no verão ou no inicio do outono e podem atingir até 20 cm ou mais de comprimento, elas se tornam mais tarde cor de rosa. Para obter flores maiores recomendamos a poda dos galhos do ano anterior deixando somente alguns botões. A Hortensia paniculata é muito indicada para áreas com pouca água. Ela pode atingir 3 a 7 metros de altura (dependendo do cultivar) e um diâmetro de 2,5 metros. É originária da Rússia, China e Japão. Comporta mais frio do que a Hortênsia macrophylla.

Nome Científico: Hydrangea paniculata
Nome Popular: Hortensia paniculata
Família: Saxifragaceae
 
         
 
Floricultura Úrsula EMPRESA
Institucional
News
Perguntas Frequentes
Localização
Trabalhe Conosco
Contatos
SEGMENTOS
Gartencenter
Samenhaus
Atacado
COMPARTILHE
Floricultura Ursula © Copyright 2017 - Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento: Wcm3 Agência Web Digital Feeling Estúdio de Criação