Pesquisar
Home Institucional Produtos Galeria de Fotos News Perguntas Frequentes Localização Contato
   
 

0 produto(s) adicionado(s)

Ver Lista

Newsletter

Cadastre-se e receba nossas novidades e promoções em seu e-mail.

Visite também

Blog
 
História
     

História da Floricultura Ursula

Esta história começa com a chegada do imigrante russo Georg Sobestiansky ao Brasil nos idos de 1950. A narrativa é feita em primeira pessoa por tratar-se de um texto do próprio Sr. Georg.
 
 

Chegamos em 1950 ao Brasil e viemos morar em Caxias do Sul. No princípio trabalhei com muito gosto na agricultura. Depois consegui um emprego em uma fábrica de madeira compensada, a Gethal, onde comecei como operário e cheguei a chefe de seção. Logo no início percebi que com o salário de operário poderia viver, porém não poderia sonhar em melhorar significativamente. Ganhei da fábrica uma casa de madeira para morar com um grande terreno. Depois de uma jornada de mais de oito horas diárias de trabalho ia para casa cultivar minha horta. Naqueles tempos remotos em Caxias do Sul a oferta de verduras era escassa e as mais apreciadas eram o repolho, o radicci e no verão o tomate. Logo meus canteiros estavam prontos e as sementes que minha sogra mandara da Alemanha Oriental foram plantadas. As sementes eram produzidas nas fábricas Chrestensen, Erfurt e aqui no Brasil a Corsetti já vendia algumas sementes de hortaliças.

Minha produção era principalmente de verduras tradicionalmente usadas pelos alemães e meus primeiros clientes foram os chefes da fábrica. Eles gostavam muito de espinafre, cenoura tenra, alho poró e vagens. Com minha bicicleta fazia as entregas de tomates, couve-flor e outras verduras no armazém da D. Odila que comprava quase toda minha produção. Meu produto principal era o couve-flor. Lembro-me que uma geada no dia 1º de maio destruiu uma safra inteira causando um enorme prejuízo.

Naquela época não haviam técnicos com profundos conhecimentos neste tipo de culturas, mesmo eu tinha um conhecimento superficial. Por isto fazia experiências diversas para sempre melhorar a produtividade e a qualidade dos meus produtos. Para compor o substrato usava cinza de madeira que recebia de graça da fábrica, terra preta que tinha à vontade e comprava ainda calcário e adubo.
 

Com a produção aumentando, comecei a sentir que faltava esterco para compor meu substrato. Tinha a vontade de adubar com chorume e com esta idéia fixa na cabeça fui conhecer uma granja de criação de galinhas. A granja pertencia ao filho de um médico que não tinha vocação para este tipo de negócio. Nesta granja vi uma novidade que deixou-me entusiasmado. As galinhas poedeiras ficavam em jaulas. Resolvi tentar isto em pequena escala em minha casa. Eu mesmo ergui uma construção com telhado em meia água, pois tinha aprendido no Brasil que tudo era possível de ser feito com um pouco de conhecimento e muita força de vontade. Enquanto estava planejando as jaulas aconteceu um imprevisto. Minha esposa Ulla (Ursula) comentou que não tínhamos flores nem na casa nem na varanda e pediu-me para plantar algumas. Mais uma vez a sogra comprava as sementes, agora de prímulas, que foram semeadas e repicadas. A dúvida de onde colocar as caixinhas com as mudas fez com que o nosso galinheiro fosse rebatizado com o nome de estufa, recebendo mesas e sistema de sombreamento que foi feito com sacos plásticos que ganhei na fábrica. As prímulas cresciam em vasos que foram arranjados com muita dificuldade, pois os vasos de barro eram ainda raros e, como europeu, recusava-me a usar latas de óleo.

As prímulas cresceram e floriram, trazendo-nos grande alegria. Os amigos foram presenteados com vasos e gostaram muito, fazendo com que surgisse a idéia de produzir flores para vender. Assim comecei a produção de prímulas em maior escala. O próximo passo era diversificar a produção, cultivando outras espécies. Comecei com as Begônias Rex , encontrei em algumas casas uma espécie antiga de grandes folhas prateadas muito bonita por sinal. Aprendi a plantar as folhas e logo já fazia mudinhas.

Assim junto com a caixa de verduras tinha agora duas sacolas, uma de cada lado do guidão da bicicleta. As primeiras prímulas a D. Odila rejeitou, mas depois, pensativa, pediu para que eu deixasse para ela tentar vender. Já no dia seguinte mandou aviso para que eu trouxesse mais flores. Estes fatos aconteceram em 1961 e são por mim considerados como o início da Floricultura Ursula Ltda. em Caxias do Sul.

Sempre fui uma pessoa que tinha bons olhos. Procurei em Caxias do Sul outras espécies para cultivar, começando com Imbé, Costela de Adão e outras. O galinheiro ficou pequeno para abrigar toda a produção e então eu construí um galpão com sombreamento medindo 5 x 3 metros. No galinheiro instalei um sistema de calefação com resistências em abajures de metal que protegiam as mudas das fortes geadas do inverno.

Um dia fui visitar a Floricultura Winge em Porto Alegre. Naquela época quem comandava os negócios era o pai do Sr. Edgar e eles também estavam ampliando a produção e em escala bem maior que a minha. Entendemo-nos tão bem que recebi a proposta de começar a trabalhar junto a eles num prazo de seis meses. Para minha tristeza o Sr. Winge veio a falecer subitamente de um problema do coração, fato este que frustrou este plano.

Na mesma oportunidade visitei também um jardineiro alemão chamado Hanisch. O colega deu-me algumas plantas de presente. Estas plantas foram muito importantes para meu plantel, pois logo eu já as multiplicava.

Na Floricultura Hanisch eu encontrava-me mais uma vez em uma estufa envidraçada como em Brandenburgo na Floricultura do Sr. Rademacher. Quando era menino conhecia todas as plantas, ajudava a arrancar as ervas daninhas e imagino que deva ter atrapalhado muitas vezes o trabalho do Sr. Rademacher. Lembro-me que em um dia de Natal estávamos todos sentados à mesa apreciando o assado que naqueles tempos difíceis não era muito grande e a campainha tocou. Era o ajudante do jardineiro Rademacher que trazia como presente de Natal uma muda grande e florida de Flor de Maio conhecida na Alemanha como Cactus de Natal. As poucas lojas que vendiam cactus em Brandenburgo tinham preços altos demais para a minha mesada.Mesmo assim os cactus eram minha paixão e eu consegui achar outra possibilidade de conseguir alguns exemplares. Um pintor colocou no telhado de sua casa no Steinstrasse uma pequena estufa na qual cultivava nas horas vagas dos domingos ou feriados algumas espécies de cactus e suculentos. Como sempre sobravam algumas mudas, podíamos comprar por poucos pfennig (centavos) alguns exemplares quando aos domingos o proprietário mostrava para os meninos da vizinhança suas culturas. Lembro-me ainda de algumas mudas que comprei como a terrível Hopuntia, cheia de espinhos e uma Euphorbiaceae. Percebo agora que mudei o rumo da nossa história, porém acredito que isto é inevitável, devido ao fato de que toda minha vida estive sempre intimamente ligado às plantas.

Em Caxias do Sul, no Ginásio dos Irmãos Maristas o professor de biologia havia transformado uma sala em estufa para cultivo de plantas. Sempre que podia visitava-o, pois ele era uma pessoa muito amável. Conversávamos sobre plantas, novidades que conseguíamos para cultivar e sobre as variedades que já cultivávamos. Parece estranho para os tempos atuais, mas naquela época Porto Alegre ficava muito longe e de São Paulo quase nada chegava até nosso conhecimento. Esta distância dificultava muito o desenvolvimento de um intercâmbio que poderia facilitar nosso trabalho. Por este motivo o senso de colaboração entre os jardineiros aqui do sul fazia com que trocassem entre si as novidades e as informações. O professor do Ginásio Marista presenteou-me com mudas, com brotos e principalmente com várias folhas de Begônias Rex que serviram como matrizes.

Já em 1958 a minha esposa Ursula iniciou a produção de Iogurte que era um produto totalmente desconhecido. Acumulando os trabalhos de fabricação de Iogurte, cultivo de Plantas Ornamentais, cultivo de Verduras e ainda trabalhando na fábrica conseguimos progredir financeiramente. As cargas que agora eram de verduras, plantas ornamentais e iogurte ficaram pesadas demais mesmo para nossas duas bicicletas. Por este motivo compramos uma Lambreta com reboque, o que era também uma novidade e nos dava condições de atender aos bares, armazéns e clientes particulares com nossas mercadorias.

Em 1959 minha esposa sofreu um acidente com a Lambreta e veio a falecer. Esta história estará contada com mais detalhes mais adiante.

Depois do sepultamento fui para as estufas e trabalhei muito. O silêncio era tão grande que comecei a ter a sensação de que quase ouvia as plantas crescendo.

Vendi a empresa que produzia iogurte e parei de plantar verduras, pois já tinha uma pequena Floricultura. As vendas cresciam sem parar. Nos finais de semana vinham fregueses procurando por algumas espécies de plantas e fazendo encomendas. Naquela época conheci o casal Seger de Estância Velha/RS e ficamos amigos. Eles ajudaram-me muito vendendo ou presenteando mudas e às vezes levando minhas encomendas de carro para Caxias do Sul. Lembro que uma vez comprei um estoque de mudas de árvores de aproximadamente duas a três dúzias de Grevilha Robusta, Cupressus Stricta, Pinus Marítima e outras, bonitas e sadias plantadas em latas. Tive grande dificuldade em vendê-las pois os italianos não tinham ainda o hábito de reflorestar ou mesmo de plantar árvores no terreno de casa. A Grevilha grande que está ainda hoje plantada na frente do Edelweiss Café Colonial em Nova Petrópolis era uma das mudas deste lote.

Casei-me com Gretel. Esta história estarei contando com todos os detalhes em ocasião mais oportuna. Deixei o trabalho da fábrica da Gethal por ser uma obrigação e não estar fazendo com amor. Daquele momento em diante dediquei-me de corpo e alma ao trabalho para o qual nasci e no qual sentia um enorme prazer. Com a ajuda de Gretel construí a primeira estufa em Nova Petrópolis. O telhado era de uma água coberto com telhas de barro intermediadas por telhas de vidro transparentes que possibilitavam a passagem da luz solar.

O caminhoneiro Gehrke com seu caminhão antigo, normalmente usado para transporte de porcos trouxe em diversas viagens os restos aproveitáveis das estufas de Caxias do Sul, além de terra que já estava preparada e das mudas que estavam sendo cultivadas para venda. Além do trabalho na Floricultura ajudava Gretel na recreação das crianças no Kinderheim. Sentia-me agora sim fazendo um trabalho que realmente amava, onde tinha contato com plantas e crianças.

A Floricultura crescia rapidamente principalmente vendendo para pessoas de Caxias do Sul que era uma cidade que estava desenvolvendo um considerável parque industrial. Preocupado com a legalização da empresa que agora chamava de Floricultura Ursula em homenagem a minha falecida esposa visitei a Exatoria em Caxias do Sul com a finalidade de falar com o Fiscal sobre quais impostos deveria pagar. O Fiscal disse-me com a maior simplicidade que este era o primeiro caso deste tipo de negócio de toda sua carreira mas que não era necessário o pagamento de impostos pois estávamos enquadrados na agricultura. Recomendou ainda que vendesse a maior quantidade possível de flores e folhagens para embelezar a cidade. Na Exatoria de Nova Petrópolis a resposta foi a mesma. Somente a partir de 1964 com as novas leis comecei a pagar encargos sociais e contratei os serviços de um Guarda-Livros. Mesmo assim continuava a vender minhas plantas com isenção de impostos.

Certa noite quando estávamos dormindo uma tempestade derrubou o telhado da casa molhando tudo, inclusive nossas camas. O telhado da estufa também foi derrubado. Isto foi como um grande impulso para que erguêssemos um novo telhado com chapas plásticas rígidas importadas que consegui comprar graças ao fato de ter vendido um terreno em Caxias do Sul.

Muitas crianças passavam as férias em nosso recreio o que fazia com que os meses de Dezembro até Março e o mes de Julho fossem de muito trabalho com sua recreação. Nestes meses sobrava pouco tempo para a Floricultura. Nos demais meses do ano conseguia recuperar o tempo perdido.

O Recreio das Crianças e a Floricultura eram carga demasiado grande para a nossa Lambreta. Por este motivo compramos do gerente do Banco Sulbrasileiro, já falecido, uma Opel Olympia, um furgãozinho com porta traseira. A fabricação de carros nacionais ainda estava no início.

O Sr. Levino Fassbinder, irmão de nossa cozinheira, e o futuro marido dela, Sr. Erno Berwian trabalharam comigo por longo tempo. Com o decorrer dos anos muitos jovens também trabalharam como meus ajudantes. Ainda hoje um deles trabalha na empresa. É o Sr. Celino Schmokel que atualmente é vendedor no Gartencenter. Duas moças trabalharam também durante longo tempo conosco. A Sra. Marli Boone, hoje casada com o Sr. Luis B. Utzig e a Sra. Marlene Gottschalk, hoje casada com o Sr. Flávio Knorst. Para nossa satisfação ainda hoje todas estas pessoas são nossas amigas, inclusive algumas delas moram na vizinhança da nossa casa. Sempre tive boas relações com nossos ajudantes, procurando pagar um salário justo. Jamais tive algum problema judicial com empregados.

Nos períodos em que não havia crianças no Kinderheim eu e Gretel saíamos para viajar. Conhecemos as lindas praias de Santa Catarina, sempre aproveitando para fazer contatos com jardineiros e para pesquisar novidades e plantas típicas destas regiões.

Na nossa região como em todo o mundo acontecem fenômenos que são popularmente chamados de febres. Muitos clientes procurando ao mesmo tempo uma mesma espécie de planta que por algum motivo tornou-se a planta da moda. A primeira experiência deste tipo que eu tive foi a febre do Pau D’água. As pessoas não queriam a planta em si (Dracaena fragans), mas mudas feitas a partir do corte de seus troncos em pedaços de 10-12 cm que eram mergulhados parcialmente em recipientes com água e das quais brotavam lindas folhas verdes listradas com amarelo muito usadas para decorar interiores.

Para conseguir matrizes tive que procurar no litoral catarinense e nos arredores de Blumenau, pelo motivo de que esta planta não crescia em nossa região que tinha um inverno rigoroso demais para uma planta que era originária da África.

A BR 101 ainda não existia e a velha estrada passava por todas as pequenas vilas e povoados à beira da praia. As paisagens eram deslumbrantes e o prazer da viagem só não era maior devido aos solavancos que a Kombi sofria por causa do péssimo estado da estrada. Mas para nós esta viagem era de negócios. Quando se avistava uma muda de Pau D’água parávamos e começava a pechincha com o proprietário que geralmente nem entendia porque aquela muda nos interessava. Raras vezes perdíamos algum negócio. Com a ajuda de Gretel e armados de facão, serrotes, machados e outras ferramentas a muda era cortada e carregada na Kombi que sempre voltava carregada para Nova Petrópolis. O serviço então era cortar no tamanho mais apropriado e colocar cada pedaço na água para que a brotação acontecesse.

Muitas histórias engraçadas aconteceram durante os trabalhos de retirada das mudas de Pau D’água. Uma delas aconteceu em Pomerode. Encontramos um tronco especialmente bonito, grosso e ramificado. Estes troncos geravam as mudas mais bem pagas e muito procuradas. A proprietária, Oma Roedl, uma senhora de idade avançada evidentemente não poderia fazer o serviço de corte da muda, por isto eu me encarreguei desta tarefa. Era verão e fazia muito calor. Eu estava suando muito e sem camisa. Quando o tronco caiu no meio das folhagens um enxame de vespas levantou vôo e eu levei muitas picadas nas costas. A minha sorte é que não sou alérgico contra o veneno que as vespas tem em seu ferrão, mas tenho certeza que naquela ocasião recebi uma forte imunização contra reumatismo. Apesar deste incidente, o tronco foi triunfalmente carregado na Kombi e transformou-se em belas mudas.

Aconteceram outras febres como a das Sansevieras, conhecidas como Espadas de São Jorge que segundo a crendice popular eram infalíveis contra o Mau Olhado. Vendi também muitas mudas desta espécie, porém existia uma grande dificuldade de adaptação desta espécie ao clima da serra.

A maior febre que eu vi foi a das Seringueiras. Não se tratava da verdadeira Seringueira (Hevea Brasiliensis), mas de uma Ficus Elástica (o Gummibaum) que nossos avós europeus cultivavam na sala junto ao bouquet de flores secas (Makartstrauss). Todos queriam mudas desta espécie. Justamente nesta época uma sobrinha de Gretel convidou-nos para o seu casamento no Rio de Janeiro. Resolvemos aceitar o convite e resolvemos que iríamos de ônibus, pois achávamos que não valeria a pena uma viagem como esta em nossa Kombi. O fato que nos fez decidir desta forma é que não tinha nenhuma carga para a volta. No Rio ficamos hospedados na casa do sogro do primeiro casamento de Gretel que acolheu-nos com prazer. Tratava-se de um senhor de idade avançada que morava em uma confortável casa no Posto 6 - Rua Joaquim Nabuco e que aproveitou a nossa estada no Rio para conversar animadamente sobre os mais diversos assuntos. O casamento era um acontecimento social, na igreja a mãe da noiva é que tocava o órgão e na festa lembro-me da mesa muito bem posta. Um médico quebrou um copo de cristal, onde era servido o vinho branco. Fiquei muito contente por este incidente ter acontecido com o médico que não sofreu qualquer censura. Não sei o que aconteceria se isto tivesse acontecido comigo. Depois do casamento fui fazer o que melhor sabia, isto é, procurar plantas que pudessem ser adaptadas em Nova Petrópolis. Andando pela cidade tinha muitas opções de decorações, ajardinamentos, vasos e isto significava que existiam ali diversos jardineiros. Nossa sobrinha levou-me até um afamado jardineiro alemão, porém ele não dispunha de tempo para me atender. Um empregado dele mostrou que bem perto dali existia uma pequena Floricultura. Nesta pequena Floricultura conheci um jardineiro português, o Sr. Antônio de Almeida. Ele costumava contar que desembarcou no Rio com um par de calças, uma camisa e um par de alpargatas home made. Veio de Portugal para ficar, certamente, na casa de algum parente que morava no Rio. Depois de muitos anos de trabalho o Sr. Antônio cuidava junto de seu sócio de uma Floricultura de bom porte. A Floricultura estava situada em um terreno da Light que é a companhia elétrica que atende a cidade. As torres de alta tensão condiziam os fios até grandes transformadores e nos terrenos sobre os quais os fios passavam existiam invasões de favelas e também da Floricultura do Sr. Antônio que optou por este local para poder ficar próximo do centro da cidade. O sócio do Sr. Antônio faleceu mais tarde vitimado por uma descarga elétrica quando cortava alguns galhos que ameaçavam aproximar-se dos fios. Conversando com este jardineiro perguntei-lhe sobre a possibilidade de conseguir mudas de Ficus e ele mostrou-me um lote que ainda não tinham nem enraizado. O enraizamento na cidade do Rio era rápido e em três semanas eu poderia carregar um lote. Encomendei 150 mudas, algumas delas já plantadas em latas. Trouxe uma mudinha bem pequena como amostra dentro do ônibus e esta foi a primeira de algumas centenas de mudas que busquei junto ao bom amigo Antônio, que me chamava pela alcunha de Alemão. Durante diversos anos viajei três ou quatro vezes em cada verão para o Rio levando na ida vasos de xaxim fabricados na cidade de Santa Cecília em Santa Catarina por uma família de ucranianos e razendo Ficus e outras plantas para vender aqui. Sempre viajávamos em dupla para podermos viajar direto sem parar para dormir e assim a viagem levava aproximadamente entre 25 e 30 horas. Meus parceiros eram o filho Jurij, ou o cunhado Helmuth, ou o bom amigo Fromund, mas na maior parte das vezes o cunhado Erwin viajava comigo.

Como segundo marido de Gretel fui bem aceito pela família Finke pela qual senti desde o primeiro momento uma grande admiração. O único inconveniente em visitá-los era o excessivo calor que obrigava-me por vezes a levantar no meio da noite para tomar um banho frio. A família Finke tinha uma cozinheira negra chamada Dita que preparava pratos com sabor comparáveis aos do cozinheiro francês Savarin, somente com temperos e condimentos mais adequados ao paladar brasileiro. Certa vez quando estávamos visitando-os a Dita compôs (é impossível dizer diferente) uma feijoada. Para prepará-la buscou na feira a lingüiça do padre e outros ingredientes sem os quais não era possível a preparação de tal iguaria, que provavelmente é o mais saboroso prato que já pude saborear em toda a minha vida. Ela cozinhava também com extrema competência outros pratos como peixes que costumava assar inteiros usando seus temperos que pareciam mágicos. O Sr Finke faleceu nos braços da Dita quando estava com 85 anos.

Ficávamos normalmente três dias no Rio para descansar e na manhã do quarto dia carregávamos a Kombi para partir de volta para o sul. Invariavelmente enfrentávamos dois problemas na saída da cidade com fiscalizações. O primeiro era causado pelo amigo Antônio que fazia a Nota Fiscal da forma que a lei exigia e considerava-se um mestre nestes assuntos, porém sempre preenchia algum dado na linha errada, fazendo com que os fiscais nos pedissem uma gorjeta para liberar a mercadoria para seguir viagem. O segundo era com a Polícia Rodoviária Federal que sempre aproveitavam para parar o gaúcho e achavam alguma coisa de errado no veículo. Este problema era resolvido com um pequeno presente, normalmente um garrafão de vinho barato, que era entregue pela janela da Kombi. A polícia do Rio já naquela época era corrupta. Uma vez eu e meu cunhado Erwin dobramos em uma rua que era de mão única. Quando percebi o erro parei o veículo e estacionei. Segui a pé para ver onde iria sair aquela rua. Na volta encontrei um brigadiano ao lado da Kombi fazendo a autuação. Expliquei a situação para ele e dei-lhe uma gorjetinha. Como a ruazinha desembocava na Av. Getúlio Vargas o brigadiano parou todo o trânsito desta movimentada avenida para que nós passássemos para o outro lado e pudéssemos seguir viagem. O cunhado Erwin achou que o dinheiro da gorjetinha para o brigadiano tinha sido realmente muito pouco pelo trabalho que ele teve para nos ajudar.

Normalmente não haviam acontecimentos extraordinários em nossas viagens ao Rio com exceção de períodos de grandes enchentes que derrubaram a ponte do Rio Pelotas. Mas logo os pioneiros do Exército construíam uma ponte provisória e limpavam as cabeceiras com tratores para permitir a passagem.

Mais uma febre que surgiu foi a das Nozes Pecan - a árvore da riqueza - que era procurada por muitas pessoas. Nós compramos uma chácara que hoje é usada pela Floricultura, nas quais plantei mudas de Pecan para serem usadas como cavalos para enxertia . Estas mudas consegui com o velho amigo Roedl que naquela época cuidava do Parque Zoológico nos arredores da cidade de Blumenau. Visitei um plantador de nozes graúdas na cidade de Guaporé que era muito amável e cultivava diversas espécies como a Moneymaker, Success e outras. Na época da enxertia meu sobrinho Alceu ensinou ao meu ajudante Erno as técnicas mais adequadas para realizar este trabalho e trouxe também o material para fazer os enxertos. Assim eu tinha agora mudas de árvores enxertadas que num prazo de um ano poderiam fornecer material para novas enxertias. Vendemos muitas mudas desta árvore que nos parecia promissora. Depois de alguns anos apareceu uma doença fúngica. As folhas escureciam, encrespavam e as frutas em grande parte não chegavam a desenvolver-se plenamente. Acho que era a mesma praga que destruiu entre 1956 e 1960 quase todas as árvores solitárias da noz européia Juglans Régia. Nas duas situações somente sobreviveram e se desenvolveram as mudas das nozes Pecan pequenas e sem enxertia. O problema é que seus frutos são muito pequenos, sua casca muito dura e a parte comestível quase insignificante.

Estas foram as febres pelas quais passei com a Floricultura. Antes já haviam passado as febres do Marmelo Japonês, do Tungue e das Oliveiras. Sempre com grandes perspectivas de sucesso e depois a realidade que, normalmente, era não tão promissora como se previa.

Mencionei anteriormente a família Seeger de Estância Velha que eram fornecedores de mudas. Com o passar do tempo fui conhecendo cada vez mais jardineiros principalmente da região da colonização alemã. Muitos cultivavam plantas de cobertura de solo, flores e as mais simples folhagens. Mas alguns eram experientes jardineiros como o amigo Ahner que cultivava em Porto Alegre e em Gramado diversas espécies, inclusive devemos a ele a introdução do cultivo das flores anuais em nosso meio. Ele viveu um trágico destino. Antes da Segunda Guerra Mundial era empregado de um Banco Alemão e voltou para a Alemanha para tentar um tratamento para uma grave enfermidade que atacava a sua esposa. Esperava ter melhores condições de tratamento lá. O filho mais velho ficou aqui no Brasil enquanto os gêmeos, que eram mais jovens, acompanharam os pais. Veio a guerra e os dois jovens morreram em combate. Como se não bastasse, a esposa faleceu. O Sr. Ahner fez cursos de técnico em jardinagem e depois voltou para o Brasil. Encontrou trabalho nas grandes plantações de frutas da fábrica de doces Ritter. Acabou casando com uma filha da família Ritter. Depois do casamento adquiriram uma chácara em Gramado e uma casa com um enorme jardim nos arredores de Porto Alegre. Deste casamento nasceram uma filha e um filho. O menino depois de estudar durante um ano nos Estados Unidos voltou e acabou suicidando-se com 16 anos de idade durante uma crise depressiva, provavelmente causada pela dependência de drogas.

Em Gramado o Sr. Ahner tinha contratado um colono alemão para trabalhar na chácara que era o Sr. Marmitt, hoje dono de uma Floricultura. O Sr. Ahner como pioneiro do cultivo das flores anuais conseguiu colorir toda a cidade de Gramado. No início eu também comprava flores dele para embelezar os jardins que plantava em toda a região serrana. Com o tempo senti-me na necessidade de começar também a produzir estas flores, que hoje são o principal produto da nossa Floricultura.

Em Portão conheci uma moça chamada Melita que já não era muito jovem e residia na companhia de sua mãe em uma antiga casa em estilo enxaimel. A casa era rodeada por uma linda mata. Entre as árvores, folhagens e flores a vida ia passando para a anciã que já estava presa a uma cadeira de rodas. O pai de Melita, já falecido, tinha grande paixão por plantas. Lá estavam plantadas as mais antigas e lindas Extremosas que eu já havia visto, que floriam na cor lilás já pouco procurada em nossos dias.

Melita cultivava e vendia mudas de Monsteras, Imbés, Philodendrons, Maranthas e Rhapis. Uma particularidade a respeito das negociações com Melita era o fato de que se ela não gostasse do comprador ou se este tentasse pechinchar no preço ou levar mais mudas que ela se dispunha a vender a negociação era interrompida e provavelmente ela não venderia mais nenhuma muda para este cliente. Ela tinha um gênio muito difícil, mas tínhamos um bom relacionamento e eu sempre comprava lindas mudas para atender as minhas necessidades.

Em Pareci Novo, perto de Montenegro, existiam muitos produtores de frutas, em sua grande maioria cítricas e com isto surgiram os produtores de mudas destas espécie.

No Seminário (Escola de Padres Católicos) o Irmão Braun ensinava aos jovens as práticas mais adequadas de agricultura e fruticultura. Um dos alunos do Irmão Braun foi o Sr. Mueller, hoje dono de uma grande Floricultura naquela região.

Encontrei na Alemanha sementes de violetas africanas azuis e cor de rosa para que eles pudessem cultivar. Eles cultivavam diversas espécies e nós fazíamos um comércio constante de nossas mercadorias. Uma certa ocasião ele presenteou-me com uma Beaucarnea, que era um bulbo do qual cresciam um punhado de folhas duras e pendentes. Tratei-a com muito cuidado, porém ela não se desenvolvia dentro da estufa. Resolvi então plantá-la a céu aberto e o resultado foi excelente. A muda desenvolveu-se e hoje é uma das atrações do Gartencenter, nossa loja de atendimento ao público e é para nós uma bonita recordação do Bruder Braun.

Em Porto Velho, perto da cidade de Portão existiam pessoas que cultivavam Eucaliptos, Acácia, Pinus e outras espécies com a finalidade de reflorestamento e produção de madeira. Devido à grande procura começaram a cultivar também árvores ornamentais como o Ipê, Jacarandá, Cássia e outras que eram utilizadas nos serviços de paisagismo em chácaras, terrenos ao redor de empresas e outros trabalhos paisagísticos maiores que exigiam mudas de grande porte.

Nos arredores de Montenegro encontrei a chácara Wolf. Um antigo local de cultivo de mudas frutíferas de espécies que já não eram mais usadas como a laranjeira amarga. Como forma de sobrevivência eles cultivavam em grande escala mudas de Extremosas com excelente qualidade. As mudas que eu buscava lá tinham aproximadamente dois metros de altura e adaptaram-se de maneira muito boa à nossa cidade. As extremosas que estão plantadas nas calçadas e nos canteiros de Nova Petrópolis são provenientes desta chácara.

Mais uma fonte de mudas surgiu no litoral norte do estado. Em Tramandaí alguns caboclos que haviam trabalhado no horto florestal dedicaram-se a cultivar Hibiscus, Oleandros e outras espécies. Levei muitas cargas de flores de estação que eram trocadas por mudas, normalmente de Oleandro, que resistia bem às geadas da serra.

Nos arredores de Blumenau, procurava Araucária Excelsa de médio e grande porte. Acabei descobrindo Corupá e conhecendo o colega Seidel. Com este colega não me agradava negociar, pois declaradamente ele só visava o lucro, desprezando a amizade. Mas lá conheci também muitos outros jardineiros que ficaram meus amigos e dos pelos quais tenho grande admiração como o Sr. Eiper, o Sr. Darius, a Dona Vera que oferecia grande variedade por bons preços e ficava localizada bem na saída da cidade.

Certa vez, voltando da viagem e passando por São Bento do Sul que fica na serra catarinense vi uma árvore com folhagem verde e branca, porte moderado e crescendo na frente do Hospital. A descoberta ficou catalogada para ser visitada em uma próxima viagem, pois já era tarde e ainda tinha uma longa jornada pela frente até Nova Petrópolis.

Dias mais tarde recebi em Nova Petrópolis a visita de dois jardineiros que procuravam mudas de Pinus Patula, naqueles tempos esta espécie era ainda uma raridade.

O grande Pinus Patula plantado no terreno da Pousada Reviver aqui em Nova Petrópolis foi comprado na Fazenda Mentz em Canela. O proprietário desta Fazenda, já falecido, gostava muito de coníferas e cultivava várias espécies, inclusive vendendo algumas mudas. Com o passar do tempo cultivamos também diversas espécies deste gênero, trocando sempre com o Sr. Ahner de Gramado as informações que conseguíamos descobrir e as experiências acumuladas.



CONHECENDO AS CIDADES DE SANTA CATARINA:

Em meados de 1965 recebi esta visita de dois jardineiros, o Sr. Nickel e o Sr. Ricardo Webera.

Nickel era da antiga Colônia das Mennonitas (seita religiosa alemã) localizada próximo de Bagé e atualmente trabalhava em Curitiba/PR;

o Sr. Ricardo Webera era dono de uma Floricultura em São Bento do Sul/SC e tinha uma história de vida muito interessante. Seu pai, Tcheco, provavelmente de origem alemã (dedução tirada do sobrenome Webera-Weber), foi prisioneiro de guerra na Rússia durante a Primeira Guerra Mundial entre 1914 e 1918. Combateu com a Legião Tcheca sob o comando do General Koltschak(Exército Branco) contra os Bolschevikes(Exército Vermelho). Após o término da guerra muitos voltaram para a destruída Tchecoslováquia, porém o pai de Ricardo resolveu ficar na Rússia, trabalhando como ferreiro. Casou-se com uma mulher russa na cidade de Swerdlowsk na Sibéria. Ricardo e seus irmãos nasceram nesta fria cidade do norte. Os negócios iam bem, pois o comunismo demorou mais de uma década a chegar com suas novas leis na distante Sibéria. Já no final da década de vinte o governo russo começou a tomar conta de todas atividades da iniciativa privada, sufocando qualquer possibilidade de bons negócios. Nesta época a família Webera conseguiu através de ajudas da embaixada deixar a Rússia e voltar para a Tchecoslováquia. Após a Segunda Guerra Mundial Ricardo com o auxílio de alemães foi morar em Berlin, cidade onde foi aprendiz de jardineiro e concluiu os estudos. Mudou-se para o Brasil praticamente com a roupa do corpo. Acabou chegando por acaso na cidade de São Bento do Sul/SC, onde os idiomas falados eram o alemão e o polonês. Além destes Ricardo também dominava o russo e o Tcheco. A língua foi um dos fatores que facilitou a adaptação de Ricardo. Na região de São Bento do Sul existe uma facilidade natural para o desenvolvimento de camélias, coníferas e outras plantas de clima temperado. Ricardo dominava muito bem as técnicas de jardinagem e conhecia os segredos da multiplicação destas espécies. Ele trabalhou arduamente para conseguir ter a sua própria Floricultura.

O Sr. Nickel e o Sr. Ricardo vieram até Nova Petrópolis em nossa Floricultura procurar mudas para cultivarem. Verdadeiros jardineiros sempre encontram as novidades que procuram e acabam comprando em grandes quantidades.

Como a compra havia sido maior que a capacidade de carga do veiculo que possuíam o Sr. Georg alguns dias mais tarde foi fazer a entrega em São Bento do Sul.

Muitas foram as viagens para esta região catarinense, onde conhecemos muitos bons amigos e onde sempre tivemos muito boa acolhida. O lar Filadélfia em Mato Preto, o Lar do missionário Pfeiffer acolhia-nos sempre com muita amizade. Gretel ficava neste Lar e eu viajava por diversas cidades da região como Corupá, Joinville e outras, muitas vezes acompanhado pelo Sr. Ricardo Webera. Nestas viagens acabei fazendo amizade com diversos jardineiros com os quais sempre trocava informações sobre o cultivo de novas espécies e muitas outras informações técnicas.

Certa vez estávamos em Joinville com o Fusca de Gretel e o colega Drehfall mostrou-me uma novidade. Ele estava cultivando a Erica (por sinal a Erica falsa). Fiquei entusiasmado e carreguei o Fusca o mais que pude, apesar dos protestos da esposa, e segui viagem em direção a Blumenau, passando por Massaranduva. Chovia aos cântaros. Não esqueço uma manada de búfalos que ruminava à esquerda da estrada parecendo gostar muito do lodo formado pela chuva. Gretel reclamava que o seu carro estava ficando todo sujo de barro e pelo excesso de carga, mas o mais importante é que eu cheguei em casa com as mudas de Erica.

Haviam viagens mais arriscadas como uma em que fomos veranear em Camboriú. Programamos ficar catorze dias em um apartamento que tínhamos alugado. Camboriú naquela época era uma pequena praia onde era muito agradável veranear. Aproveitando a viagem encomendei de um jardineiro castelhano, da igreja evangélica de Blumenau, uma carga de Araucária Excelsa. Na viagem de ida, ao chegarmos perto de Vacaria, começou a chover torrencialmente. Qualquer valeta parecia um riacho e estava transbordando. A pequena cascata antes da cidade de Vacaria havia inundado a rodovia. O rio Pelotas, divisa dos dois estados também estava grande e quando atravessamos a ponte nova de concreto observávamos a antiga de madeira um pouco acima na correnteza e Gretel questionou se ela agüentaria a força da água. Achei aquilo uma preocupação sem fundamento.

A velha estrada de Macadame passava por Trombudo, Rio do Sul, Lontras e a descida para o vale do Itajaí. Como tínhamos programado, almoçamos em Trombudo. Quando chegamos a Blumenau chovia ainda muito forte. Pernoitamos na casa dos bons amigos Roedl, ambos já falecidos, e no dia seguinte fui dar uma olhada nas Araucárias que estavam encomendadas e depois fomos até a praia. A chuva forte agora tinha se transformado em chuvisqueiros. No dia seguinte recebemos a notícia de que a correnteza do rio Pelotas havia derrubado a velha ponte de madeira e esta havia batido na ponte nova de concreto, represando a água. Com toda esta pressão o cimento armado não resistiu e a ponte nova também cedeu. Com isto a BR 116 ficou interrompida, dificultando a nossa volta para casa. Restava-nos a BR 101 que passa pela beira da praia, porém esta rodovia também estava interrompida por desabamentos de encostas e em alguns locais estava alagada. Depois de esperarmos alguns dias sem que houvesse uma solução para podermos voltar para casa em segurança e com as notícias desencontradas que ficávamos sabendo, resolvemos carregar as Araucárias em Blumenau, usando estradas vicinais. O rio Itajaí já estava tão alto que somente as estradas não estavam submersas. As paisagens eram lindas entre os vales e montanhas, mas as estradas haviam sido muito castigadas pelas chuvas e estavam péssimas. Quando chegamos perto de Águas Mornas o facão da Kombi quebrou e ficamos na rua, eu, Gretel e as Araucárias. Havia sido declarado estado de calamidade pública e o exército patrulhava as estradas. Fomos socorridos por uma patrulha que me levou até uma oficina, onde o facão foi devidamente soldado e este serviço foi tão bem feito que muito mais tarde quando vendi esta Kombi ainda não havia mexido neste facão. O capitão do exército que nos socorreu levou Gretel para um hotel em Águas Mornas, perto das fontes termais. Durante a espera a dona do hotel mostrou a Gretel as fontes de águas termais e as duas usaram um sarrafo para espantar os porcos que sempre se banhavam neste local. Hoje lá existe um hotel de luxo, classificado com cinco estrelas e o sarrafinho que era usado para espantar os porcos é uma das peças do museu local. Com a Kombi consertada, chegamos já ao anoitecer em Gravatal. Conhecia muito bem esta região devido às diversas viagens para buscar mudas de Pau D’água. O hotel estava quase lotado, porém conseguimos, ainda, um quarto. Os hóspedes eram caminhoneiros que esperavam a liberação de uma passagem para o Rio Grande do Sul. Um deles, inclusive, estava carregado com uma carga de mamão que estava amadurecendo. Todos queriam que a situação fosse contornada o mais depressa possível. Depois de uma noite reconfortante, seguimos viagem de manhã. A estrada estava novamente interrompida em Osório por causa de um pequeno riacho que tinha transbordado e destruído o asfalto. Restava-nos somente a alternativa de contornar a lagoa usando uma arenosa estradinha para tentar chegar a Viamão. Andamos bem devagar para desviar dos buracos. Já ao anoitecer chegamos a um atoleiro que surgiu por causa dos pesados caminhões que passavam por ali. Atrás de nós vinha uma extensa fila de caminhões. Restavam-nos duas alternativas: seguir em frente arriscando ficar atolado; ou pernoitar ali mesmo à beira da estrada e ver os caminhões piorarem cada vez mais a passagem. Decidi tentar atravessar o atoleiro. Como já era de se esperar atolei, impedindo a passagem dos caminhoneiros. Por causa disto alguns deles entraram no lodo e empurraram a minha Kombi até o outro lado. Agradeci e parti rumo a Viamão. Dormimos na casa de minha cunhada Minna em Porto Alegre e seguimos bem cedo de manhã a viagem para casa. Ainda tivemos um pequeno problema. Perto de Morro Reuter havia caído uma barreira interrompendo a passagem. Tivemos que passar por Ivoti, Arroio Veado e Picada Café. Felizmente cruzamos a ponte sobre o rio Cadeia sem problemas e chegamos em casa aliviados.

Mais uma viagem que ficará gravada na memória para sempre aconteceu quando eu e Gretel fomos pela primeira vez a São Bento do Sul com a nova Variant. Eu passava nos pontos de venda e reservava as mudas e a Kombi passava alguns dias mais tarde para recolher. Chovia forte, mas mesmo assim resolvemos ir, eu e Ricardo Webera, para Pirabeiraba no pé da serra. Íamos visitar a nova granja de Ricardo. O tempo estava muito feio e o nevoeiro estava fechado. Perto de Campo Alegre uma parte da pista cedeu derrubando dois ou três carros no abismo. Resolvemos, então, voltar e visitar Corupá. Na saída de São Bento tivemos um pneu furado e paramos para trocar. Ricardo achou que seria melhor voltar, pois tudo parecia que estava errado naquele dia. Parecia que ele tinha razão e furamos mais dois pneus e arrancamos o cano de descarga antes de chegarmos em Blumenau onde consertamos os estragos e compramos pneus novos e pudemos voltar em segurança para São Bento do Sul.

A floricultura Winge, dirigida pelo Sr. Edgar começou a tornar-se meu parceiro comercial. Oferecia bons descontos e comprava também minhas plantas, fazendo solidificar-se uma grande amizade que ultrapassava os limites dos negócios. Era interessante para eles manter este intercâmbio com um jardineiro da serra e para mim também era ótimo negócio.

Alguns jovens da região de Pareci começaram a ir de Kombi para São Paulo para buscar mudas. Os preços eram normalmente baixos e eles traziam grande variedade. Mesmo assim não eram um concorrente muito forte pois os clientes da serra que compravam estas mudas vindas de São Paulo normalmente as perdiam nas primeiras geadas e voltavam a comprar as suas mudas conosco por causa deste motivo.

Com a instituição do ICM apareceu um sério problema. Como sempre acontece com a chegada de uma nova lei, as informações não eram muito claras e o Fiscal (Sr. Baron) considerou as nossas plantas como produto tributado. Isto fez com que não tivesse mais nenhum lucro com o trabalho na Floricultura, tudo o que ganhava ia para pagar impostos. Este grave problema foi amenizado por soluções criadas com um pouco de jeitinho brasileiro. As mudas frutíferas eram isentas. Assim foram compradas grandes quantidades de mudas frutíferas (na realidade a grande maioria das plantas frutificam). Aproveitando a isenção das mudas de reflorestamento comercializava também mudas de Pinus, Araucárias, Acácias, Eucaliptos e outras.

Levando em conta a reduzida alíquota com que eram tributados os serviços (3%) inscrevi-me na Prefeitura Municipal fazendo um registro como paisagista. Para os clientes não importava se a Nota Fiscal era de serviços ou de mudas.

Certo dia conversando com o Sr. Edgar Winge descobri que em Porto Alegre as empresas não pagavam ICM sobre as plantas. Fui até uma repartição da receita estadual para descobrir qual era o artigo da lei que abria a possibilidade desta isenção. A pessoa que me atendeu pediu para que eu voltasse na semana seguinte para buscar o resultado desta pesquisa. Para minha surpresa na semana seguinte quando voltei a Porto Alegre para ver o resultado da minha consulta fui informado de que a pessoa que me atendera tinha entrado em férias e que por minha causa agora todos em Porto Alegre tinham que pagar ICM. A Sra. Frida Hanisch e a Sra. Bubi Schmitz reclamaram muito da minha atitude, assumindo uma postura de inimigas, mas o Sr. Edgar Winge compreendeu a situação. Cedo ou tarde isto acabaria acontecendo de qualquer forma.

Mais tarde um deputado da região de Pareci conseguiu novamente isentar os produtores de mudas, tornando assim viável nossa atividade.

Tínhamos há muito tempo um mesmo Guarda-Livros (não quero mencionar o seu nome) e tinha plena confiança em seu trabalho. Já o seu pai cuidava destes trabalhos tanto da Floricultura como do Kinderheim. Fiquei sabendo através de um novo empregado que ele não pagava os impostos de nossa empresa, mesmo que nós, todos os meses, pagássemos religiosamente em dia para ele os cheques referentes a estes impostos. Diante desta denúncia fui até ele para perguntar sobre a veracidade destes fatos. Sem maior cerimônia ele confirmou que era tudo verdade e que ele pagaria tudo. Naqueles dias recebi uma intimação para uma audiência no Fórum. A dívida para com o INPS já estava em cobrança judicial e o valor estava acrescido de juros, multas e correção monetária. Ele foi representar-nos na audiência e pagou as dívidas de forma parcelada. Este senhor é uma das poucas pessoas da nossa cidade com as quais não converso e nem quero ser cumprimentado por ele.

A situação estava cada vez mais difícil. Lidar com dinheiro, com a inflação e com a instabilidade política só era possível porque eu tinha trabalhado durante a guerra na Alemanha em uma transportadora e tinha alguma experiência no assunto. Tive que acostumar-me logo a alterar os preços em espaços de tempo bem mais curtos para acompanhar a concorrência. O dinheiro precisava também ser protegido. Isto era feito aplicando em Letras de Câmbio ou investindo em moeda estrangeira. Recebia sempre a ajuda do Sr. Adriano de Almeida de Caxias do Sul nestes assuntos. Mesmo assim quase perdi muito dinheiro com uma empresa caxiense que distribuía títulos deste tipo. Diversos gerentes desta empresa eram meus clientes e por isto eu tinha uma grande quantia aplicada com eles quando a empresa faliu. Para minha sorte o Banco Central decretou a intervenção e recebi tudo o que tinha aplicado com todos os juros depois de algum tempo.

Meu serviço aumentava e comecei a estender mais e mais o alcance das minhas obras. Gastava bastante tempo com o trabalho de planejamento e orçamentos. Executava obras que iam de jardins em residências a grandes áreas ao redor de empresas, passando pela decoração agências de automóveis e caminhões e de muitos outros ramos de empresas. Muitas vezes tinha que trabalhar de noite para fazer orçamentos, planejar alguma obra e fazer a lista das plantas para carregar. Quando compramos a primeira Variant, usada, eu podia acompanhar a Kombi que levava os ajudantes e as mudas. Dava as instruções e seguia para fazer novos orçamentos ou para executar serviços em lugares mais distantes como Veranópolis, Nova Bassano, Bento Gonçalves e outras cidades serranas. Quando o serviço durava mais de um dia, trabalhava de noite nos planejamentos no quarto do hotel. Chegamos a plantar um grande jardim em Erechim, onde levamos o material e os ajudantes de caminhão. O mesmo acontecia nas praias. Executamos obras em diversas cidades do litoral norte, mas as mais significativas foram em Capão da Canoa e Torres.

Os meus clientes eram normalmente antigas indústrias que estavam instaladas em prédios que se apertavam em pequenos espaços dentro das cidades e decidiam mudar suas instalações para a periferia, necessitando assim de um trabalho de qualidade que não comprometesse a imagem e a tradição que o nome lhes conferia. Executei os trabalhos de ajardinamento das instalações das empresas Eberle, Fras-le, Agrale, Pisani, Randon, Guerra e muitas outras em Caxias do Sul, cantinas de vinho em Garibaldi, as fábricas da Tramontina nas cidades serranas, a nova fábrica dos Biscoitos Isabella e um grande número de fábricas de móveis em Bento Gonçalves. Normalmente depois de executar as obras nas empresas eu era contratado para executar diversas obras nas residências dos diretores e gerentes. Com a inflação os Bancos ganharam muito dinheiro e começaram a construir novos prédios no centro das cidades e agências nos bairros. Também com isto aumentei a minha clientela. Na agência Centro de Caxias do Sul do Banco do Brasil executei toda a decoração e fiz a manutenção durante diversos anos.

Com o despertar do turismo na serra gaúcha começaram a surgir os grandes hotéis como o Serra Azul e Serrano em Gramado, os hotéis do grupo Sehbe (Alfred) em Caxias do Sul e Torres e o grande hotel Laje de Pedra em Canela. Também com estas obras tive oportunidade de executar muitos ajardinamentos. Durante a construção do hotel Laje de Pedra os trabalhos de ajardinamento ficaram a cargo de Dona Mausi, uma paisagista de origem alemã que trabalhava em Porto Alegre e não estava familiarizada com a plantação de jardins no clima da serra, principalmente porque no local onde o hotel foi construído o vento é constante. Planejamos e executamos em conjunto todos os ajardinamentos com grande sucesso. Isto levou-me a executar diversos jardins no loteamento que foi construído nas proximidades.

Neste período as prefeituras começaram a preocupar-se com o embelezamento de suas cidades. Em Caxias do Sul ainda hoje pode-se admirar as plantas que plantei nos vasos do calçadão. Toda cidade de Farroupilha foi decorada com canteiros e para evitar roubos a prefeitura oferecia de graça as mudas de flores. Em Bento Gonçalves decorei muitas praças e as escadarias que são uma peculiaridade desta cidade serrana.

Em 1964 a situação do país era séria. A inflação começava a crescer descontroladamente e o Presidente João Goulard começava a demonstrar tendências esquerdistas. Como já era costume na América do Sul os militares assumiram o poder.

Um pouco antes da tomada de poder pelos militares eu e Gretel, depois de um período de árduo trabalho com as férias das crianças resolvemos passar alguns dias na praia em Santa Catarina para descansar. Evidentemente eu pretendia aproveitar para comprar algumas plantas. Paramos em Rio do Sul no único hotel da cidade que era antigo e pequeno naquela época. A estrada de macadame era muito ruim, tinha muitos buracos e a Kombi trepidava bastante, tornando a viagem cansativa. Devido ao cansaço dormimos até um pouco mais tarde e durante o café da manhã ouvimos no rádio a notícia da revolução. Tratei de encher o tanque da Kombi e mais alguns galões para garantir o combustível para a volta. A experiência vivida na guerra havia me ensinado que uma das coisas mais importantes nestes momentos era o combustível. Sob os olhos dos militares descansamos e voltamos para casa. No Kinderheim já haviam estado os militares procurando os filhos do governador Brizola, mas nada encontraram. O governador por diversas vezes almoçou ou tomou café em nosso estabelecimento mas seus filhos nunca tinham ficado hospedados. A política não me atraía. Como brasileiro naturalizado existiam certas restrições como a proibição de criar pombos correio, porém isto jamais me fez falta alguma. Meu filho Jurij estudava Veterinária em Porto Alegre. Ele também não tinha vocação esquerdista, deixando-me tranqüilo. Não tínhamos nada a temer.

A economia não ia mal. Com as novas leis muitas empresas começaram a crescer e requisitavam meus serviços.

As Festas aconteciam cada vez em maior número e o público que acorria a elas também aumentava sem parar. A Festa da Uva em Caxias do Sul, a Festa da Vindima em Flores da Cunha, a Exposição de Móveis em Bento Gonçalves, a festinha regional em Ana Rech ganhavam força. Em todas elas participava decorando Stands, canteiros e apresentando os meus produtos e serviços.

Em 1965 na Festa da Uva, ainda no antigo prédio, onde hoje funciona a Prefeitura Municipal de Caxias do Sul eu e meus ajudantes trabalhamos noite a dentro. Tivemos muito serviço com decoração e, mais que isto, aluguei um Stand para a nossa Floricultura. Foi o único expositor da cidade de Nova Petrópolis. Recebi a visita, no Stand, do Presidente da República, General Costa e Silva e do Prefeito da cidade de Caxias do Sul, Sr. Victório Trez com os quais tirei uma fotografia que guardo orgulhosamente até hoje. Além das plantas vendia também um abridor de garrafas gigante, fabricado em aço inox e com o emblema da festa. Este abridor era fabricado pelo Sr. Édio Zang e era um sucesso absoluto de vendas. Um dos meus ajudantes que ajudaram-me durante estas festas foi o Sr. Anésio Spier, marido da nossa querida telefonista Sra. Irmgard. Era um bom motorista e um bom vendedor.

Na edição seguinte da Festa da Uva, agora já nos pavilhões que a abrigam até hoje, já utilizamos dois veículos para transportar os materiais e tínhamos dois motoristas. Tínhamos grandes trabalhos de decoração a executar e trabalhamos algumas noites quase inteiras, dormindo somente alguns minutos num cantinho enquanto o veículo não chegava com mais material da Floricultura. Como é de costume no Brasil, muitos expositores recusavam minhas propostas de decoração dizendo que a decoração seria feita pela esposa usando algumas plantas que ela tinha em casa. Normalmente estes expositores chegavam quando faltavam poucos minutos para a abertura da festa e pediam que fizéssemos um trabalho de decoração. Em alguns casos estes trabalhos de última hora feitos muitas vezes quando os alto-falantes já solicitavam a saída do pessoal de serviços ficavam os mais bonitos de toda festa. Nesta festa já tinha alugado um Stand maior que na primeira. O vendedor era o meu amigo Randazzo, filho do primeiro agrônomo da prefeitura. Randazzo fazia a manutenção dos jardins que a Floricultura Ursula plantava. Era um bom vendedor, cuidava das decorações, avisava quando era necessária a troca de flores ou folhagens, tratava de limpar a poeira das folhagens que se acumulava no final dos domingos e feriados.

Nas feiras em Bento Gonçalves os trabalhos eram parecidos com os de Caxias do Sul, somente diferenciando-se pelo fato de não alugarmos Stands. Fazíamos a decoração de stands e às vezes até distribuíamos os móveis expostos.

Na Festa da Uva seguinte surgiu um concorrente, que havia negociado com a direção a decoração dos caminhos e espaços vazios da feira, mas este não significava uma ameaça para nossa Floricultura por tratar-se de um revendedor que não cultivava as plantas que vendia. Mesmo assim tivemos muito trabalho. Como já era de hábito decoramos a grande maioria dos stands e a direção solicitou-nos a decoração do arco de entrada e dos canteiros floridos fora dos pavilhões.

Nas festas que ocorriam em Gramado, juntamente com o bom amigo Marmitt (que montou uma Floricultura após a morte do Sr. Ahner) montávamos nossos stands fora dos pavilhões. Tínhamos muitos fregueses e as conversas eram sempre muito animadas. Fazíamos planos de plantio de novos jardins e reformas dos já plantados.

Para possibilitar todo o desenvolvimento do cultivo de plantas ornamentais um dos fatores de maior importância são os fornecedores de sementes. A grande maioria das sementes de flores vinham da Europa onde já existia uma longa tradição deste cultivo. Apareceram alguns representantes no Brasil, mas existiam limitações de quantidades mínimas e de qualidade das sementes. Este problema foi resolvido por ocasião de uma viagem para a Europa quando pude conversar pessoalmente com o fornecedor das sementes e explicar-lhe que as quantidades de que necessitamos são menores que as suas quantidades mínimas de pedido e que a sua qualidade de sementes é o que esperamos. Contando com o bom senso deste fornecedor resolvi este problema que nos dificultava a produção há algum tempo.

Como as sementes, os veículos também foram um problema durante muito tempo. No início era a Lambretta com reboque. O motor era muito fraco e a subida dos morros caxienses era feita em zigue-zague. Depois veio o velho Opel Olympia. Acho que tivemos mais problemas que alegrias com este que foi nosso primeiro carro. Uma certa ocasião depois de ser consertado na oficina do cunhado em Porto Alegre, na chegada em casa, a roda da frente soltou-se e só não causou um grave acidente pois eu estava dirigindo bem devagar fazendo a curva da entrada para o nosso recreio (Kinderheim). Outras vezes ficamos empenhados na estrada. Havia chegado o tempo de comprarmos um veículo mais adequado e em melhores condições. Compramos uma Kombi 1300. Um bom carro apesar do motor muito fraco. Ela nos serviu para todos nossos serviços durante 1.200.000 quilômetros. Foi trocada por uma Kombi 1500. Esta era muito econômica, porém tinha um defeito na caixa de câmbio (todas deste modelo apresentavam este defeito).

Em duas ocasiões compramos Kombis usadas, mas em curto espaço de tempo tive que substituí-las por veículos novos. O mesmo aconteceu quando resolvi comprar uma Variant que foi usada até que não andava mais.

Com a crise do petróleo de 1973 e a conseqüente alta dos preços da gasolina, começou-se a procurar alternativas para os veículos. A VW lançou a Kombi 1600 que consumia muito combustível e por isto não tiveram a nossa aceitação, mesmo sendo esteticamente muito melhores que as anteriores. Depois veio a Kombi Diesel. Compramos uma das primeiras. O motor fundiu com 25.000 quilômetros e foi substituído dentro do prazo de garantia. Mesmo com todos os cuidados recomendados pelo fabricante, o motor não resistia mais de 40.000 quilômetros. Somente ficávamos com estes veículos por causa do baixo preço do combustível e pela pouca opção de alternativas. Uma delas era o Jeep Toyota que precisava ser adaptado e acabava custando muito caro. Mesmo assim resolvi comprar um para experimentar. Agora, levando em consideração o tamanho da Floricultura e o volume de carga, havia chegado a hora de comprarmos um pequeno caminhão. Até hoje ainda são utilizados os pequenos caminhões da linha Mercedes nos serviços de transportes da Floricultura.

A aquisição das áreas de terras e terrenos também foi gradual e sempre com muito sacrifício. Primeiro compramos a chácara das nozes na esperança de fartas colheitas que nunca aconteceram. Depois os terrenos da família Ludwig, hoje propriedade dos nossos netos. A seguir foi comprada a chácara na qual residimos do nosso funcionário Guertler. Bem mais tarde surgiu, através de um anúncio em jornal, a oportunidade de comprarmos uma pequena área de terras na Linha Temerária. O local tem muitos pontos a seu favor com relação ao cultivo. É mais quente que Nova Petrópolis, quase não acontecem geadas, tem água (riacho) de fácil bombeamento e hoje já tem inclusive acesso asfaltado.

O trabalho aumentava cada vez mais, tornando-se impossível para mim conduzir sozinho os negócios. Cada vez tínhamos mais máquinas, veículos, micro-tratores, bombas d’água, etc. Eu também estava ficando cada dia mais velho. Resolvi aceitar meu genro, Albino, como sócio. Procurava também um jardineiro para conduzir os destinos da Floricultura no momento em que eu não pudesse mais estar à frente dos negócios. Coloquei diversos anúncios em jornais do ramo na Alemanha. Recebi algumas ofertas como a de um casal que havia trabalhado na Arábia Saudita onde tinham ajardinado um grande parque, mas foi impossível devido a problemas com o departamento de imigração a vinda deles para o Brasil.

Depois de muito procurar, recebi a informação de que em São Bento do Sul, no lar Filadélfia, trabalhava um jardineiro alemão bastante jovem. Como ele também tinha grande interesse em conhecer uma Floricultura brasileira fez contato comigo. Deste momento em diante a história da Floricultura Ursula Ltda. passou a ser escrita pelas mãos deste jardineiro chamado Hans Hermann Hesse.
 
 
         
 
Floricultura Úrsula EMPRESA
Institucional
News
Perguntas Frequentes
Localização
Trabalhe Conosco
Contatos
SEGMENTOS
Gartencenter
Samenhaus
Atacado
COMPARTILHE
Floricultura Ursula © Copyright 2017 - Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento: Wcm3 Agência Web Digital Feeling Estúdio de Criação